Reflexão para o 18º Domingo do Tempo Comum – Lucas 12,13-21 | Ano C

Por Pe. Francisco Cornélio F. Rodrigues
Diocese de Mossoró – RN

O evangelho deste décimo oitavo domingo do tempo comum – Lc 12,13-21 – continua ambientado no contexto do longo caminho de Jesus com seus discípulos para Jerusalém, onde viverá a consumação da sua missão, com os eventos da paixão, morte e ressurreição. Como tem sido enfatizado há alguns domingos, esse caminho constitui a seção narrativa mais longa e mais original de todo o Evangelho segundo Lucas, totalizando dez capítulos (Lc 9 –19). Inclusive, do décimo terceiro ao trigésimo primeiro domingo do tempo comum, neste ano C, o evangelho é tirado dessa seção, com exceção para algumas solenidades celebradas nesse intervalo. Como sempre, é importante recordar que, mais do que um percurso físico/geográfico, esse caminho é, acima de tudo, um itinerário formativo, teológico e catequético, no qual Jesus apresenta os principais elementos do seu ensinamento aos discípulos.

Podemos dizer que Lucas juntou os principais ensinamentos de toda a vida de Jesus e distribui-os na seção do caminho, mesclando textos exclusivos seus com outros comuns aos demais evangelhos sinóticos (Mateus e Marcos). Mesmo que entrem em cena outros personagens durante o caminho, como no episódio de hoje, os destinatários principais da mensagem são sempre os discípulos. Assim, neste itinerário são abordados os temas fundamentais para a formação do discipulado de todos os tempos: a partilha, a importância da oração, o universalismo da salvação e da missão, a misericórdia para com os pecadores, a necessidade de fazer renúncias e o perigo do apego aos bens materiais, tema do evangelho de hoje. Uma vez contextualizados, olhemos para o evangelho de hoje, um texto exclusivo de Lucas, que compreende um pedido de intervenção de Jesus por um homem desconhecido (v. 13), cuja resposta (vv. 14-15) é seguida de uma parábola que denuncia o perigo do apego aos bens e a confiança nas riquezas (vv. 16-21). Essa parábola ficou conhecida como parábola do rico insensato.

Eis o texto: “Alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: ‘Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo’” (v. 13). Esse pedido reflete uma situação bem frequente. Provavelmente, Jesus estava passando por um povoado, onde as opiniões dos rabinos – como Jesus era considerado – eram bastante requisitadas, sobretudo para ajudar a resolver questões que envolvessem a interpretação da Lei, como casos de herança, por exemplo. Inclusive, os rabinos eram muito interessados por questões desse tipo e se sentiam honrados quando solicitados, pois, além de ser uma oportunidade para exibir conhecimento, ainda recebiam uma recompensa financeira quando conseguiam promover o acordo. Provavelmente, o homem que pede a intervenção de Jesus era um filho mais novo, já que era o filho mais velho quem tinha controle sobre toda a herança da família, de acordo com a Lei. Enquanto o primogênito tinha direito a dois terços da herança, o outro terço era distribuído com os demais filhos (cf. Dt 21,16-17). Em compensação, o primogênito tinha também o dever de cuidar da mãe viúva e das irmãs solteiras.

Geralmente, quando um filho mais novo pedia a divisão dos bens havia conflitos, sendo necessária a intervenção de rabinos, os quais exerciam papel de advogado e juiz, sobretudo, nos pequenos povoados, onde quase ninguém conhecia a Lei em profundidade e nem havia um órgão jurídico funcionando. Por isso, na passagem de um rabino por um povoado, era comum aparecer questões desse tipo. Ao pedido de intervenção, “Jesus respondeu: ‘Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?’” (v. 14). Antes de tudo, Jesus se nega a agir como os rabinos do seu tempo, e se recusa a arbitrar em questões desse tipo. A princípio, parece estranha a recusa, uma vez que, ao que tudo indica, alguém estava sendo injustiçado naquele caso, pois um irmão estava se negando a repartir a herança com o outro, ou seja, estava usurpando um direito. E, como promotor da fraternidade e da justiça, é claro que Jesus tinha interesse na resolução de conflitos entre irmãos. Mas, ao recusar a julgar a questão, Jesus não estava lavando as mãos, como aparenta. É claro que o mais lógico seria que Jesus interviesse e ajudasse na resolução do problema, chamando o outro irmão para conversar até convencê-lo a repartir a herança como determinava a Lei.

Com sua aparente omissão, Jesus estaria ajudando a prolongar a discórdia entre os irmãos e, de certo modo, corroborando uma situação de injustiça. Porém, Jesus conhecia as intenções daquele homem e a mentalidade vigente; sabia que sua reclamação não era motivada apenas por sentir-se injustiçado, mas pela ganância, ou seja, por ter depositado toda a confiança naquela herança. Se ajudasse a resolver aquele problema, conforme solicitado, Jesus estaria alimentando a ganância e o desejo de acúmulo, enquanto o problema era muito mais profundo. Resolvendo um caso a mais, não mudaria uma mentalidade tão impregnada naquela cultura. Por isso, ele prefere ir à raiz do problema. Ora, aquela herança um dia passaria por nova divisão, quando aquele homem morresse e a deixasse para seus filhos. Poderia ser causa de discórdia novamente. Jesus quer mostrar que no seu Reino as heranças não devem ser divididas, pois não devem existir, uma vez que tudo deve ser partilhado. Isso ele deixará claro com a parábola que segue. Ao invés de legalmente divididos, os bens devem ser partilhados conforme a necessidade de cada pessoa, e não de acordo com tradições e normas legais.

A parábola vai sendo preparada aos poucos. Do caso específico do homem que lhe pede intervenção, Jesus aproveita para chamar a atenção dos discípulos: “E disse-lhes: ‘Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida do homem não consiste na abundância de bens’” (v. 15). A expressão “disse-lhes” sinaliza que não é mais a um indivíduo, mas aos discípulos e a todos os ouvintes e leitores do Evangelho que ele está direcionando o ensinamento. A palavra grega traduzida por ganância (πλεονεξίας – pleonexías) significa o desejo de ter sempre mais, o não contentamento com o necessário. Logo, aqui ele faz uma advertência. Certamente, ele sentia muita resistência nos seus seguidores no processo de assimilação de seus ensinamentos. Assim, ele vai de encontro à mentalidade hebraica que via no acúmulo de bens, ou seja, na riqueza, um sinal da bênção de Deus. Jesus contraria esse princípio e rompe com a teologia da prosperidade. O acúmulo de bens é, na verdade, a prova maior da falta de sentido para a vida e, inclusive, causa de discórdias. Portanto, é urgente para seus seguidores e seguidoras libertarem-se dos bens que aprisionam e escravizam, colocando-os à disposição de todos, mediante a partilha. Provavelmente, seus discípulos ainda não tinham aprendido a rezar como ele e continuavam pedindo mais do que o pão necessário para cada dia, contrariando a oração que ele tinha ensinado há pouco tempo (cf. Lc 11,2-4).

Finalmente, chegamos na parábola. Recordamos que, em Lucas, especialmente, as parábolas não surgem do nada, são sempre contextualizadas, surgem como aprofundamento ou ilustração de um ensinamento já começado e visam responder à questão concretas da existência, como acontece neste episódio: “E contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita” (v. 16). A expressão “contou-lhes” evidencia, mais uma vez, que o destinatário não é somente o homem anônimo, mas todos os ouvintes, especialmente os discípulos. A parábola apresenta a figura de um homem rico, grande latifundiário, o qual fora surpreendido com uma grande colheita. A atitude e o pensamento do personagem da parábola com a colheita abundante são descritos a partir de um monólogo interior, no qual é revelado, sobretudo, o seu caráter: “Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. Então resolveu: ‘Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!’” (vv. 17-19). Convém mencionar que, como escritor refinado que é, Lucas é o único autor do Novo Testamento a empregar o recurso literário do monólogo interior. Por meio deste recurso, o autor revela o pensamento do personagem.

Como se vê, o personagem da parábola é um homem voltado somente para si. Na sua vida não havia espaço para o outro. Praticamente todas as suas falas são em primeira pessoa singular – vou fazer; vou derrubar; vou guardar; poderei –, além de um uso excessivo de pronomes possessivos – minha, meus –, o que revela um egoísmo profundo. Toda a sua confiança é depositada na abundância dos bens. Em seu pensamento não há espaço para Deus e nem para o próximo; ele pensa somente em si e nos bens que possui, e esse é o seu grande pecado. Esse homem representa o “anti-discípulo”: apegado aos bens, ganancioso, egocêntrico, autossuficiente e insensato. Tudo o que os discípulos e discípulas de Jesus não podem ser, esse homem era. E, ao apresentar esse homem como contraexemplo, Jesus contesta a teologia tradicional, alimentada sobretudo pelos escritos sapienciais, que via o acúmulo de bens, ou seja, a prosperidade como sinal das bênçãos de Deus e sinônimo de vida exitosa. Inclusive, a última frase atribuída ao personagem da parábola sintetiza tal mentalidade: “descansa, come, bebe, aproveita!” (v. 19). Em certos círculos sapienciais comer e beber em abundância era visto como o objetivo principal do ser humano e, consequentemente, símbolos do sentido da vida (cf. Ecle 8,15).

Para Jesus, a vida de uma pessoa perde o sentido quando não contempla Deus e o próximo. Por isso, na parábola ele mostra a intervenção divina, em forma de advertência e de protesto à mentalidade mesquinha e egoísta daquele homem: “Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’” (v. 20). Aqui, não se trata de um ato vingativo de Deus, mas de um alerta, um convite à reflexão que é feita a cada pessoa, independentemente da quantidade dos bens acumulados. Quer dizer que é Deus a fonte da vida. É o sinal de contraposição à falsa segurança depositada, na riqueza, pelo homem (v. 19). Enquanto ele julgava ter vida longa pelo que havia acumulado, Deus entra na história para mostrar o que, de fato, tem valor. A pergunta final: “E para quem ficará o que tu acumulaste?” (v. 20b) é apenas uma ponte com o que gerou toda a discussão e a parábola: o pedido de intervenção daquele homem anônimo na divisão da herança. Ora, além de não garantir vida verdadeira, os bens acumulados ainda podem se tornar causa de discórdia, tirando a harmonia e a paz das pessoas. Por isso, a mentalidade egoísta e a ganância são tratados como loucura, insensatez. E o personagem da parábola é chamado de louco (em grego: ἄφρων – afron), de insensato, pois, ao pensar somente nos bens, tinha perdido a razão.

Com a frase final, Jesus completa o sentido da parábola e reforça a chamada de atenção nos discípulos: “Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus” (v. 21). O acúmulo para si, como do personagem da parábola, torna o ser humano insensato, o leva a deixar de refletir sobre a vida e o seu sentido, tirando Deus e o próximo do seu horizonte. Isso é, consequentemente, empobrecer-se diante de Deus, pois priva a vida de sentido. Ser rico diante de Deus é, por outro lado, estar à disposição do seu projeto, cuja manifestação mais clara é a partilha e o serviço ao próximo. É isso que dá sentido à vida e torna a pessoa rica diante de Deus. Sendo a vida dom de Deus, essa só tem sentido quando o ser humano também se faz dom para o próximo. 

Jesus ensina, assim, a partir do pedido que o homem desconhecido lhe fez, aos seus discípulos a conscientizarem-se da incompatibilidade entre o seu seguimento e as riquezas deste mundo. Para isso, rompe, inclusive, com um princípio sagrado para o povo judeu, a herança. Se alguém deixou herança, foi porque acumulou. Se acumulou, foi porque não partilhou e, quem não partilha não está apto a fazer parte do Reino de Deus.

Colaborou: Por causa de um Certo Reino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: