O Sentido da Oração do Pai Nosso e do Pão Nosso (Lc 11,1 -13) | Reflexão de Frei Jacir de Freitas Faria, OFM

O SENTIDO DA ORAÇÃO DO PAI-NOSSO E DO PÃO-NOSSO (Lc 11,1 -13)

Por Frei Jacir de Freitas Faria, OFM[1]

O texto sobre o qual vamos refletir é Lc 11,1-13. Trata-se da conhecida e familiar oração do Pai-nosso! Quando ainda éramos crianças, nossos pais nos ensinaram essa oração que Jesus ensinou aos seus discípulos e eles, aos nossos pais da primeira hora do cristianismo. Nesse movimento de fé, o Pai-nosso chegou até nós. Você sabe o significado do Pai-nosso? Que relação existe entre Pai e pão? Gostaria de saber? Então, vamos lá!

A oração do Pai-nosso foi conservada pelas comunidades de Mateus e Lucas. O texto de Mt 6,9-13 apresenta sete pedidos. Já o de Lc 11,2-4, cinco. O Pai-nosso é um resumo dos evangelhos. Os primeiros cristãos tinham o costume de rezá-lo três vezes ao dia. Os judeus rezavam suas orações próprias várias vezes ao dia. A grande novidade da oração do Pai-nosso não se refere aos pedidos, mas ao modo como Jesus se dirige a Deus, chamando-O de Pai nosso, demonstrando, com isso, o carinho e a proximidade com Deus que é Pai não só dele, mas de todos o que nele creem[2].

No livro do profeta Isaías encontramos a menção de Deus como Pai nosso (Is 63,15-16; 64,7-9), assim como nas orações feitas nas sinagogas, mas não como súplica. Jesus conhecia esse modo de falar de Deus, mas o faz em forma de oração de confiança e de proximidade. Abba, no aramaico, língua na qual Jesus rezou o Pai-nosso, significa “papai, papaizinho amado”.

Os três primeiros pedidos referem-se a Deus. O primeiro é que o nome de Deus seja santificado. Pode soar estranha tal petição. Deus, na visão judaica era considerado Santo, puro, inacessível, e que não suportava impurezas, pois elas podiam causar a morte de quem se aproximava de Deus sem se purificar ou estando em estado de impureza. Para Jesus, Deus é santificado entre nós, quando tornamos visível a marca da sua presença no meio de nós através de nossas boas ações de justiça, de solidariedade em prol da igualdade social. Santificamos o nome de Deus e Ele é santificado em nós. Isso fica mais claro no segundo pedido: “Que venha o teu Reino”. Jesus sabia que nele Deus reinou plenamente, mas como era difícil para os seus seguidores fazerem o mesmo, isto é, deixar Deus agir de forma soberana sobre eles. O reino de Deus se traduz em ações em prol da paz e da justiça, de modo que elas se concretizem. 

“Seja feita a tua vontade sobre a terra como no céu” é o terceiro pedido referente a Deus. Jesus sabia quão tremendo seria aceitar a vontade do Pai. Ele mesmo, no momento de sua agonia espiritual, no monte das Oliveiras, suplica a Deus que afaste dele o cálice de morte, mas que o aceitaria por ser a vontade do Pai (Lc 22, 41-42). Fazer a vontade do Pai é pagar o preço da opção pelo reino, até mesmo com a própria morte. 

Quatro são os pedidos referentes à vida terrena. O primeiro deles refere-se ao pão de cada dia, alimento que nos mantém vivos. Rezar assim é reconhecer o senhorio de Deus sobre todo o criado e suas criaturas. Ainda que tenhamos de tirar o pão da terra com o suor de nosso trabalho, ele é tão divino como o pão descido do céu (Jesus) que fortalece a nossa caminhada espiritual. Pai e pão duas palavras com o mesmo sentido. Lucas relaciona o pai com o pão. “Que pai/mãe deixa o seu filho passar fome?”.  

O segundo pedido referente ao ser humano, conforme a comunidade de Mateus, é o perdão de nossas dívidas. Lucas fala de perdão dos pecados. Dívida ou pecado são sinônimos, isto é, referem-se à mesma coisa. Quem peca é como quem não paga sua dívida, isto é, um devedor de amor ao próximo e a Deus. Daí que Jesus ensina que se Deus perdoa, eu também devo perdoar. Nisso está a santidade de Deus e a nossa. 

O terceiro pedido vem em forma negativa: “Não nos deixe cair em tentação”. Seria Deus o autor da tentação? Seria a mulher que não resistiu à tentação do diabo, como pensavam os medievais? Nem um, nem outro. O melhor seria entender esse pedido a Deus de não nos deixar cair na provocação que vem do outro na relação pessoal e social. Cair na provocação e aceitar a proposta de sair do caminho de Deus. Somos tentados a seguir outros deuses, o do dinheiro, da fama, do orgulho, das falsas lideranças políticas e religiosas. Jesus venceu o tentador e nós também podemos fazê-lo. É uma luta sem fim, sem trégua. 

Em seguida, vem o pedido de “livrar-nos do mal”, do malvado, do maligno. Não diria demônio, capeta, pois esse imaginário é muito perigoso e assustador, herança de uma pregação da Igreja que insistia na ida dos pecadores para o inferno do capeta que fedia a enxofre. Jesus não estava falando disso, mas das maldades que fazem parte da condição humana. O mal estará sempre presente no meio de nós. Há sempre um animal acuado dentro de nós. Caso não o dominemos, ele nos torna violentos como as suas garras animalescas. 

Por fim, as fórmulas finais do Pai-nosso, o “Amém” e o “Pois vosso é o poder e a glória para sempre” foram acrescentadas posteriormente. Amém quer dizer “tudo isso é verdade”. 

Para nós, hoje, a oração do Pai-nosso continua atual e necessária. Vivemos num mundo de injustiças sociais, econômicas e políticas. Maldades que brotam do desejo de vingança por desejar o que o outro tem. Rezar o Pai-nosso é se comprometer com um mundo novo, é tornar visível a santidade de Deus. É pensar no pão que alimenta nossas relações, mas, sobretudo, no pão que falta a milhões de filhos (as) de Deus mundo afora. Quantos não têm, pelo menos, uma refeição diária. Nem é preciso ir para o continente africano. África é Brasil! A situação atual do Brasil grita por justiça social. Supermercados estão vendendo pele de frango e osso para os empobrecidos. Cresceu, nos últimos anos, a prisão por furto famélicos, isto é, empobrecidos que roubam para se alimentarem. Que o Pai-nosso nos coloque no caminho da solidariedade, santidade! Que o Pão-nosso não nos falte! Termino com uma célebre frase do pastor dos pobres, Dom Hélder Câmera, bispo de Olinda/Recife, fundador da CNBB, grande defensor dos pobres durante a ditadura militar no Brasil, morto em 1999. Uma das pérolas de sua profecia foi: “Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo. Quando pergunto por que eles são pobres, chamam-me de comunista!” Pense nisso ao rezar o Pai-nosso!

***

[1] Frei Jacir de Freitas Faria, OFM é Doutor em Teologia Bíblica pela FAJE (BH). Mestre em Ciências Bíblicas (Exegese) pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma. Professor de Exegese Bíblica. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB). Sacerdote Franciscano. Autor de dez livros e coautor de quinze. Youtube: Frei Jacir Bíblia e Apocrifos. https://www.youtube.com/channel/UCwbSE97jnR6jQwHRigX1KlQ 

[2]  BIANCHI, Enzo. O que diz o Pai-nosso? In: DORÉ Joseph (Org.). Jesus: a enciclopédia.  Petrópolis: Vozes, 2020, p. 508.

***

Presença de Frei Jacir nas Mídias Sociais

Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria, OFM é Doutor em Teologia Bíblica pela FAJE (BH). Mestre em Ciências Bíblicas (Exegese) pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma. Professor de Exegese Bíblica. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB). Sacerdote Franciscano. Autor de dez livros e coautor de quinze.

Canal Frei Jacir Bíblia e Apócrifos:
Oferece aulas e lives sobre Bíblia e Apócrifos
https://www.youtube.com/channel/UCwbSE97jnR6jQwHRigX1KlQ

Página Bíblia e Apócrifos:
http://www.bibliaeapocrifos.com.br/

Reflexões Bíblicas no Canal Grupo de Reflexões Bíblicas São Jerônimo:
https://www.youtube.com/channel/UCkVLcYNOuzQL_HL1g8e3_lg

Instagram:
https://www.instagram.com/freijacir/

Facebook:
https://www.facebook.com/freijacir.freitasfaria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: