Qual é Hoje a Única “Coisa” Realmente Boa e Indispensável?

Por Itacir Brassiani, msf

Para entender corretamente o ensinamento de Jesus transmitido por Lucas no evangelho de hoje precisamos colocar a cena no seu contexto literário: o caminho firme de Jesus a Jerusalém e a parábola do bom samaritano. A estrada é a escola na qual Jesus dá as lições essenciais aos discípulos/as.  Jesus sai da estrada, que é símbolo da abertura, e entra numa cidade, símbolo de fechamento. A mulher que o recebe a chefe da casa, e seu nome significa literalmente ‘patroa’.

No episódio anterior, Jesus deixara claro que é socorrendo e atendendo às pessoas necessitadas que nós amamos e servimos a Deus.  O que provoca a agitação de Marta é a necessidade de cumprir o código de leis que o judaísmo impunha aos fiéis, e que acabava afastando-os da compaixão e da misericórdia (cf. Lc 10,25-37), a tarefa de governar a casa e o desejo de controlar a própria vida, garantir a satisfação dos desejos e acumular riquezas (cf. Lc 8,14; 12,24-34).

Essas preocupações levam Marta a querer corrigir o Evangelho e dar ordens ao próprio Jesus. “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço? Manda, pois que ela venha me ajudar”. A “senhora” Marta age bem ao estilo de alguns pregadores que querem reescrever o Evangelho para que sirva às ideologias do capitalismo, do patriarcalismo e do armamentismo. Mas Jesus ensina que o único bem necessário é sentar-se diante dele, dispostos a aprender seu Evangelho e seguir seus passos com a disposição de partilhar seu destino.

Eis o núcleo da questão: a escuta da Palavra viva de Jesus Cristo é condição para um ministério apostólico frutuoso. Enquanto Marta faz aquilo que é aparentemente mais seguro, urgente e eficaz, Maria faz o que é mais importante e fundamental. Maria faz a única coisa que é correta e boa do ponto de vista do Evangelho. Por isso, Jesus não fala simplesmente que ela escolheu “melhor parte”, mas que “uma só coisa é necessária”, e que Maria “escolheu a parte boa, e esta não lhe será tirada”. Isso não é um elogio à passividade, mas uma outra forma de afirmar aquilo que bom samaritano fez na parábola que Jesus acabara de contar.

Em outras palavras, a única coisa necessária, capaz de expressar e potencializar o dinamismo de uma vida terna e eterna, é o amor a Deus, conjugado com a compaixão pela pessoa humana, especialmente pelas vítimas. É isso que precisamos aprender e reaprender aos pés de Jesus, deixando de lado outras coisas que, com sua aparente urgência, não fazem outra coisa que provocar agitação e badalação. Para que serve a infinidade de leis canônicas, rubricas litúrgicas e normas disciplinares se não ajudam a renovar e consolidar esta escolha fundamental?

Alargando essa reflexão para o horizonte social e cultural, podemos dizer que o que nos preocupa, agita e impede uma escuta atenta e engajada do Evangelho é nosso desejo de levar vantagem em tudo, de ser o primeiro, de salvar a própria pele sem se preocupar com os outros, de superar ou derrotar os outros. E então, não temos olhos nem ouvidos para os migrantes que adentram nossas fronteiras, nem para os desempregados por uma economia sem coração. Damo-nos por satisfeitos com cultos bonitos, templos cheios e carteiras gordas.

Paulo se alegra nos sofrimentos que enfrenta por causa da comunidade, e está disposto a completar em sua carne o que falta às tribulações de Cristo. Acolhendo o ministério que Deus lhe confiou, faz-se servidor da Igreja e se desdobra para que a Palavra de Deus chegue efetivamente a ela. Paulo não diz que o sofrimento é santificação, mas que a adesão a Jesus Cristo e o fazer-se próximo dos últimos deve contar com a possibilidade de sofrer a oposição e as agressões vindas de quem não aceita mudança alguma, nem mesmo do coração.

Jesus, mestre de lições inesquecíveis nos caminhos da história! Tua Igreja vive tempos difíceis e tentadores. Crescem as exigências e o apreço por liturgias irretocáveis e por normas tão claras quanto discriminadoras. E isso acaba deixando os ministros preocupados com muita coisa e impedindo-os de sentarem-se aos teus pés para escutar tua Palavra. Reconduz nossas comunidades à tua escola, faz com que elas se sentem aos teus pés, para, contigo, saírem solidárias ao encontro das pessoas necessitadas para servi-las. Assim seja! Amém!

Colaborou: CEBi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: