Fomos libertados para viver a compaixão e a Justiça

Itacir Brassiani, msf

Quem quiser seguir Jesus Cristo em tempos de cultura líquida (que rejeita referências sólidas, enrijece a lógica que transforma tudo em mercadoria, aceita a exclusão como destino inexorável e estabelece a indiferença como sinônimo de liberdade) precisa tomar uma decisão firme e refletida: precisa ter claro o objetivo de seguir e imitar Jesus na sua paixão pela humanidade, na sua solidariedade com os últimos, no seu enfrentamento com os poderes que se opõem ao projeto de um mundo no qual todas as criaturas tenham seu lugar.

Frente à tentação do integralismo e à discussão sobre quem é o maior e (cf. Lc 9,46-50), Jesus tomou “a firme decisão de partir para Jerusalém”. A meta da vida cristã não é o êxtase diante do esplendor dos impérios, mas a percepção e a denúncia das suas contradições e injustiças. Perseverar no caminho de Jesus Cristo exige renovada coerência com o Evangelho, imbatível firmeza diante das resistências e ânimo indestrutível frente às possíveis decepções. Como os discípulos daquele tempo, somos enviados à frente de Jesus para preparar-lhe um lugar.

A reação dos samaritanos é compreensível diante de um anúncio possivelmente insuficiente e nacionalista por parte dos discípulos. Assim como haviam proibido o trabalho daqueles que faziam o bem mas não estavam com eles, é possível que os discípulos tenham anunciado aos samaritanos um Jesus nacionalista, identificado com os poderes e doutrinas que diminuíam e excluíam os samaritanos, omitindo que Ele estava subindo a Jerusalém exatamente para contestar a validade do templo e sua ideologia, e para enfrentar a rejeição e o martírio.

Não seria também essa a principal causa da resistência que o mundo ocidental e moderno opõe ao cristianismo? Será que não temos identificado demasiadamente Evangelho e poder? Será que não temos renegado culpavelmente a defesa corajosa e decidida dos direitos de todos os humanos? Será que não temos esquecido perigosamente a profecia? Pouco adianta ameaçar os ateus e as (indevidamente chamadas) seitas com o fogo que desce do céu ou sobe do inferno. Precisamos de conversão ao Evangelho de Jesus Cristo e de abandono da pretensão do monopólio da verdade.

É preciso levar a sério a advertência de Jesus de Nazaré e partir para outros povoados e periferias, cientes de que segui-lo é a vocação de todos os homens e mulheres que aderem ao cristianismo, inclusive dos que não o fazem explicitamente. Se nosso caminho tiver uma direção clara e permanecer fiel à prática de Jesus, é possível que muitas pessoas, pertencentes tanto aos setores sociais mais abastados como aos grupos populares, se sintam também hoje fortemente interpeladas e decidam se incorporar à comunidade dos discípulos e discípulas.

É verdade que as pessoas que procuram as Igrejas trazem consigo contradições e ambivalências, das quais nem os prelados da Igreja conseguem se livrar. Com Jesus, aprendemos a apresentar a elas, com delicadeza e clareza, as consequências da opção de estar com ele.  Jesus nos apresenta uma espécie de ética do seguimento, na qual as rupturas e renúncias são uma pedagogia para a liberdade. Junto com o distanciamento frente ao fanatismo, Jesus nos pede uma ruptura com alguns costumes que, mesmo conservando um certo valor, podem limitar a liberdade.

A seu modo, Paulo repete o mesmo ensinamento de Jesus: “Toda a lei se resume neste único mandamento: amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Eis a liberdade bela e preciosa à qual somos chamados, e à qual não podemos renunciar sem descer ao nível dos mortos: não à indiferença e a superioridade, e sim ao respeitoso reconhecimento da dignidade do próximo e ao livre serviço às suas necessidades. Nisso consiste a obediência razoável devida a Deus e o amor maduro que de nós ele tem direito a esperar. Fomos libertados para a prática do amor e da justiça.

Jesus de Nazaré, mestre de exigentes lições e peregrino que avança no caminho do enfrentamento do poder: queremos caminhar contigo e alcançar a liberdade profunda e radical. Queremos aprender de ti e dos profetas que te precederam e seguiram a profecia e o ardor pelos direitos de Deus. Dá-nos a disciplina e a coragem para romper com todos os compromissos que reduzem ou adiam nossa autêntica liberdade. Assim seja! Amém!

Colaborou: CEBi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: