A diaconia da bondade na Igreja

Por Jerônimo Lauricio

O primeiro capítulo do gênesis, com a apresentação solene da obra criadora divina, nos fala de uma “bondade fundamental”. Tudo o que Deus cria desde o princípio é belo e cheio de bondade, que tanto o salmista, quanto o profeta depois dirão que “o Senhor é BOM, eterno é seu amor” (Sl 100,5; 135,3; Jr 33,11).

Quando olhamos atentamente para a narrativa da criação do mundo material, logo notamos que ela é poeticamente cadenciada por algumas repetições significativas. Por exemplo, é repetida seis vezes esta frase: “Deus viu que isso era bom” (v 4.10.12.18.21.25). E para concluir, na sétima vez, depois da criação do homem: “Deus contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom” (v. 31). Este acento maior à bondade, surge no texto como se quisesse exprimir um grau elevado de “excelência” da obra da criação. A plenitude e a perfeição da bondade de Deus é a criação do homem, macho e fêmea. Na humanidade a bondade divina atingiu o seu ponto culminante. Nascemos da terra boa, por obra do Criador Bom. A bondade está no DNA da nossa humanidade, ainda que o pecado tenha lançado suas raízes no solo do coração humano.

Um outro aspecto interessante, que sobressai na narração do gênesis é que o Senhor cria pela força da sua palavra. No texto lê-se dez vezes a expressão “Deus disse” (vv. 3.6.9.11.14.20.24.26.28.29 – Vayomer Elohim), que ressalta o poder e a bondade da Palavra Divina. É a Palavra, o Logos de Deus, que se encontra na origem da realidade do mundo e do homem. Assim canta o Salmista: “Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e pelo sopro da sua boca, todo o seu exército… Porque Ele disse e tudo foi feito, Ele ordenou e tudo existiu” (33,6.9).

E quando lançamos nosso olhar sobre o Novo Testamento, ali aprendemos a identificar a obra da Criação com ação redentora do Logos Divino: “Tudo foi feito por meio dele e sem Ele nada foi feito” (Jo 1,3 ). “Nele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e invisíveis” (Cl 1,16). Cristo, Verbo Encarnado, a quem muitos cheios de grande admiração, diziam: “Tudo Ele tem feito bem. Faz os surdos ouvirem e os mudos falarem. Ele faz bem todas as coisas (Mc 7,31.37). Ele é personificação, a encarnação da autêntica bondade, a quem somos chamamos a seguir, servir e imitar.

  1. SERVIDORES DA BONDADE DIVINA

O Papa Francisco em sua Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, nos quis indicar caminhos para o percurso da Igreja nos próximos anos. Dela destacamos 12 passos que nos ajudam a compreender como viver uma bonita Diaconia da Bondade:

  • O bem tende sempre a comunicar-se. Toda a experiência autêntica de verdade e de beleza procura, por si mesma, a sua expansão; e qualquer pessoa que viva uma libertação profunda adquire maior sensibilidade face às necessidades dos outros. E, uma vez comunicado, o bem radica-se e desenvolve-se. Por isso, quem deseja viver com dignidade e em plenitude, não tem outro caminho senão reconhecer o outro e buscar o seu bem” (9)
  • “O Evangelho convida, antes de tudo, a responder a Deus que nos ama e salva, reconhecendo-O nos outros e saindo de nós mesmos para procurar o bem de todos. Este convite não há de ser obscurecido em nenhuma circunstância! Todas as virtudes estão ao serviço desta resposta de amor” (39)
  • “Peçamos ao Senhor que nos faça compreender a lei do amor. Que bom é termos esta lei! Como nos faz bem, apesar de tudo amar-nos uns aos outros! Sim, apesar de tudo! A cada um de nós é dirigida a exortação de Paulo: «Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem» (Rm 12,21). E ainda: «Não nos cansemos de fazer o bem (Gl 6,9)” (101)
  • “Um sinal claro da autenticidade dum carisma é a sua eclesialidade, a sua capacidade de se integrar harmoniosamente na vida do povo santo de Deus para o bem de todos” (130)
  • “Na homilia, a verdade anda de mãos dadas com a beleza e o bem. Não se trata de verdades abstratas ou de silogismos frios, porque se comunica também a beleza das imagens que o Senhor utilizava para incentivar a prática do bem.” (142)
  • “Mais do que como peritos em diagnósticos apocalípticos ou juízes sombrios que se comprazem em detectar qualquer perigo ou desvio, é bom que nos possam ver como mensageiros alegres de propostas altas, guardiões do bem e da beleza que resplandecem numa vida fiel ao Evangelho” (168)
  • “A aceitação do primeiro anúncio, que convida a deixar-se amar por Deus e a amá-Lo com o amor que Ele mesmo nos comunica, provoca na vida da pessoa e nas suas ações uma primeira e fundamental reação: desejar, procurar e ter a peito o bem dos outros” (178)
  • “A parábola do trigo e do joio (Mt 13,24-30) descreve um aspecto importante de evangelização que consiste em mostrar como o inimigo pode ocupar o espaço do Reino e causar dano com o joio, mas é vencido  pela bondade do trigo que se manifesta com o tempo” (225)
  • Só pode ser missionário quem se sente bem, procurando o bem do próximo, desejando a felicidade dos outros. Esta abertura do coração é fonte de felicidade, porque «a felicidade está mais em dar do que em receber» (At 20,35). Não se vive melhor fugindo dos outros, escondendo-se, negando-se a partilhar, resistindo a dar, fechando-se na comodidade. Isto não é senão um lento suicídio” (272)
  • “No meio da obscuridade, sempre começa a desabrochar algo de novo que, mais cedo ou mais tarde, produz fruto. Num campo arrasado, volta a aparecer a vida, tenaz e invencível. Haverá muitas coisas más, mas o bem sempre tende a reaparecer e espalhar-se” (276)
  • Há uma forma de oração que nos incentiva particularmente a gastarmo-nos na evangelização e nos motiva a procurar o bem dos outros: é a intercessão. (281)
  • Quando um evangelizador sai da oração, o seu coração tornou-se mais generoso, libertou-se da consciência isolada e está ansioso por fazer o bem e partilhar a vida com os outros. (282)

O profeta Miquéias no Antigo Testamento nos ensinou que “o bem consiste em pertencer a Deus, obedecer-Lhe, caminhar humildemente com Ele, praticando a justiça e amando a misericórdia (Miq 6,8”). Certamente esses 12 passos da Evangelii Gaudium podem ser como que um GPS a nos orientar seguramente na rota para viver e ensinar o que o profeta nos indicou.

________
Paulus

***

Missionário YOUCAT, graduado em Filosofia e em Teologia, pós-graduado em Docência no Ensino Superior e Docência no Ensino de Filosofia, Mestrando em Teologia Sistemática, Escritor, Formador da Escola de Formação Permanente da Arquidiocese de Brasília, Diretor Geral da Rede Missão do YOUCAT Brasil e Membro do YOUCAT Team International (YOUCAT Foundation) no YOUDEPRO – Programa Internacional de Desenvolvimento do YOUCAT.
“Muitos tentam me conhecer olhando de fora, mas eu só posso ser conhecido de dentro, do coração”. (São João Paulo II)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: