Escutando e seguindo Jesus, aprendemos novas lições

Leia a reflexão sobre Lucas 9,28-36, texto de Itacir Brassiani

O brilho atraente dos grandes e festivos encontros podem nos afastar da vida cotidiana.  Por isso, precisamos ouvir o Filho Amado do Pai, purificar o nosso olhar e a buscar a verdadeira face de Deus. Paulo nos adverte, em lágrimas: não nos comportemos como inimigos da cruz de Cristo, ou seja: não corramos atrás de facilidades, sucessos, prosperidades. Deus usa roupas de servo, porque essa é sua essência. Nada de tendas longe da luta por um mundo fraterno, casa de todos.

A cena do Evangelho de hoje é precedida por uma exigente catequese de Jesus. Depois de ter sido reconhecido formalmente por Pedro como “o Cristo de Deus”, Jesus acrescentara: “É necessário o Filho do Homem sofrer muito e ser rejeitado pelos anciãos, sumos sacerdotes e escribas, ser morto e, no terceiro dia, ressuscitar” (Lc 9,22). E dissera, voltando-se aos que o seguiam: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz, cada dia, e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá, e quem perder sua vida por causa de mim a salvará” (Lc 9,23).

Parece que os discípulos não conseguem entender e aceitar este caminho proposto por Jesus. Sentem-se desconcertados diante de um Messias servidor e perseguido. Resistem a um caminho que os levará a ser companheiros dele no anúncio do Reino e na perseguição. Não passa pela cabeça deles carregar a cruz da rejeição e da criminalização, imposta a quem ousa se rebelar contra os poderes do Império. Eles lutam desesperadamente contra essa possibilidade. Segundo Lucas, esta luta interior dos discípulos se prolongava por mais ou menos oito dias.

É neste contexto que Jesus sente necessidade de retirar-se para rezar e discernir o caminho que deve seguir para revelar o rosto do Pai e realizar sua vontade. Chama e leva consigo Pedro, Tiago e João, os primeiros discípulos que havia chamado, mas também os mais resistentes ao caminho que propunha e os mais aferrados às ambições de poder e à imagem de um Messias potente e vitorioso. Nesta cena, o medo e a resistência dos discípulos se mostra simbolicamente no sono, como aconteceria de novo mais tarde, no Jardim das Oliveiras (cf. Lc 22,45).

O sono expressa o desejo de fugir, de voltar atrás, de não escutar nada senão as próprias ideias e ambições. Os discípulos não suportam escutar o diálogo de Jesus com Moisés e Elias, , guia e profeta do povo, ambos duramente perseguidos e não muito bem-sucedidos. O diálogo é sobre o êxodo de Jesus que aconteceria mais tarde em Jerusalém, ou seja, o enfrentamento com os poderes opressores e a saída das malhas de uma religião estreita e sedenta de sucesso, discriminadora e opressora dos mais fracos. Essa conversa não interessava aos discípulos.

O trio resistente e sonolento é despertado pelo brilho de Jesus e seus convidados, não pelo conteúdo da conversa. A glória e o poder estão claramente no horizonte do interesse deles, tanto que desejam reter o tempo, separar os espaços e eternizar esta agradável visão. Estando todos atordoados e sem saber o que dizer, Pedro toma a iniciativa: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas…” Não lhes interessa compreender nem as palavras de Jesus, nem a memória do êxodo e da profecia. O que desejam é um lugar no qual possam encontrar paz e sossego.

Mas a glória e o esplendor do poder não são expressões inequívocas de Deus e da realização da sua vontade. É a sombra tenebrosa de uma nuvem – imagem daquela nuvem que acompanhara o povo na caminhada através do deserto e envolvera a montanha na celebração da Aliança – que desfaz o entusiasmo dos discípulos e os conduz à verdade à qual resistem: “Este é o meu filho, o eleito. Escutai-o!” É a profecia e o serviço, e não as vestes de glória, que manifestam o esplendor de Deus. Eis que ele nos fala com sabedoria e nos ensina novas e oportunas lições.

Jesus de Nazaré, companheiro de Moisés e de Elias, filho amado do Pai. Por vezes tua liberdade causa-nos vertigens e tua compaixão nos assusta. Ajuda-nos a contemplar teu rosto nesta terra povoada de gente que deseja ardentemente viver. Ensina-nos a escutar tua Palavra sussurrada nas atitudes inquietas e nas ações indignadas e até violentas das pessoas e grupos a quem foram roubados os sonhos. E dá-nos a humilde e a sabedoria para acompanhá-las no caminho de descida ao encontro contigo nas encruzilhadas desta história manchada de sangue. Assim seja! Amém!

_____________
CEBi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: