Viver a alegria do evangelho renovando nossas relações

A propósito de Lucas 3,10-18

Por  Itacir Brassiani

O apelo à igualdade, a abaixar e elevar, ressoou como toque de sino no segundo domingo do advento. Hoje, quando se nos abre a terceira semana dessa bela e exigente caminhada espiritual, somos chamados à alegria profunda e duradoura e a mudanças práticas e concretas em nossas relações. Na preparação para o Natal é preciso afastar a inquietação com presentes e festas e focar nossas energias na alegria agradecida pelo presente maior, o Filho de Deus, e na conversão das nossas relações com as pessoas e coisas.

Somos parte de uma comunidade de pessoas que preparam fervorosas a celebração do nascimento de Jesus e esperam ansiosas a manifestação do Reino de Deus, que desejam provar as alegrias de crescer em humanidade, ou alcançar a salvação, e celebrá-la com júbilo intenso. O profeta Sofonias vem em nossa ajuda, pedindo-nos que cantemos de alegria, que nos alegremos e exultemos de todo o coração, que não tenhamos medo nem caiamos no desânimo. E nos assegura que Deus já está ou continua no meio de nós, que também ele, movido unicamente pelo amor e porque nos quer bem, exultará de alegria por nós.

Mas essa exultante e jubilosa alegria tem sua razão de ser naquilo que Deus faz por nós, em nós e através de nós. O que nos motiva é a experiência de sermos amados/as e capacitados/as a contribuir de modo efetivo com a libertação que está em curso na história, vontade e obra incansável de Deus. “Alegrai-vos sempre no Senhor! Alegrai-vos! Que a vossa bondade seja conhecida por todos! O Senhor está próximo”, insiste o apóstolo Paulo. Somos convocados a alegrar-nos em Deus e a perceber que Deus se alegra conosco!

Mas temos que nos perguntar se esta insistência na alegria e no júbilo não é exagerada, e se não é insuficiente como preparação para o Natal. De fato, as coisas ruins – que não faltam em nosso país neste momento, e nada faz crer que não sejam mais abundantes e letais no futuro – só começam a mudar realmente quando as pessoas singulares começam a se confrontar com a própria verdade e com o Evangelho e, dispostas a transformar suas relações, perguntam: o que posso e devo fazer? Essa é a pergunta que o testemunho de João Batista suscitou no seu povo e que a vida de Jesus deve suscitar em nós.

Mesmo tendo tomado a decisão de viver no deserto e de modo austero, não é isso que João Batista pede aos seus interlocutores. Mesmo pertencendo ao judaísmo, ele sabe que, para acolher a vinda de Deus e o seu Reino, não basta peregrinar ao templo ou cumprir as leis. Na sua interação com pessoas e grupos que detém algum poder ou gozam de um status acima do remediado, João Batista ensina que o caminho para Deus supõe a mudança das estruturas de relacionamento e de poder e a organização de uma sociedade menos injusta e violenta, mais solidária e fraterna. A comunidade cristã jamais esqueceu três exemplos deixados por João.

Às pessoas e grupos que gozam de certa comodidade, que não sentem falta do básico em termos de comida, vestuário e habitação, João pede que não pensem apenas no próprio bem-estar, e que se engajem na correção das desigualdades sociais. Aos cobradores de impostos, que extorquem, com o amparo da lei, o povo cansado e abatido, João pede que não abusem dos pobres e não enriqueçam às custas deles. Aos soldados, que usam de violência para proteger os poderosos e oprimir os dominados, pede que não acusem ou condenem ninguém recorrendo à mentira, nem usem de sua autoridade para roubar os indefesos.

Como os cobradores de impostos, os soldados e o povo em geral, também nós precisamos perguntar: e eu, o que devo fazer para viver bem o Natal e acolher o Evangelho do Reino? A resposta não pode ser um sentimento difuso ou um pensamento abstrato. Não valem também constatações cínicas e ofensivas do tipo “como é difícil ser patrão no Brasil”, ou “os pobres não precisam de ajuda, mas de oportunidade”. Nada muda se não conseguirmos olhar para além dos interesses de classe ou do mito da meritocracia. Nosso critério de vida não são as leis do mercado ou a falsa piedade, mas a prática e o Evangelho de Jesus!

Deus pai e mãe, fonte de alegria e movente de toda mudança, vem em nosso auxílio para que saibamos descobrir alegremente o que devemos fazer para preparar os caminhos do Senhor, combater o mal que fere teus filhos filhas e construir o teu Reino. Não permitas que caiamos na tentação de resumir tudo na montagem de presépios, na distribuição de presentes, na promoção de ceias faustosas ou nos difusos e fugazes sentimentos religiosos. Possamos todos/as aprender as lições de Maria e de José, que começaram aprofundando os próprios vínculos, abrindo espaços para os outros e inventando novos caminhos. Assim seja! Amém!

___________________
In: CEBi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: