Pistas para a Vivência do Tempo do Advento

Dom Antônio de Assis
Bispo auxiliar de Belém do Pará (PA)

A liturgia Católica é muito rica e dinâmica! Cada tempo litúrgico apresenta aos fieis uma oportunidade para o crescimento espiritual e moral. O crescimento na profundidade da fé em Jesus Cristo, por seu dinamismo próprio, estimula o fiel a qualificar as suas atitudes.

A liturgia tem uma íntima relação com a vida e lá onde a fé celebrada se distancia da fé vivida, há um grave problema religioso. Se o amor a Deus e ao próximo são inseparáveis, da mesma forma, serve para a relação entre a liturgia e a vida.  A liturgia está para a vida, e a vida, permeada pela liturgia, ganha novo brilho e conteúdo!

Sobre essa íntima relação entre fé e vida, o concílio Ecumênico Vaticano II na Constituição Dogmática Sacrossanctum Concilium afirmou que a liturgia impele os fiéis, saciados pelos mistérios pascais, a viverem unidos no amor; pede que sejam fiéis na vida a quanto receberam pela fé e através da Eucaristia para crescerem na Caridade de Cristo (cf. SC,10). Isso significa que a liturgia tem uma séria dimensão moral, ou seja, deve levar o fiel a assumir boas atitudes. Esse é um caminho de santidade!

Estímulos do tempo do advento

Cada tempo litúrgico traz consigo uma grande carga de estímulos. Dessa forma o advento se apresenta como um tempo grávido de convites à alegria pela vinda do Senhor; é tempo de esperança, renovação, reflexão, vigilância, sobriedade, prática da caridade, mudança de mentalidade, conversão, etc.

O advento tem muitas dimensões! Tem uma dimensão religiosa por ser um tempo de ressignificação da nossa relação com Deus que vem ao encontro da humanidade; tem uma dimensão litúrgica com suas orações próprias, cores, textos e celebrações específicas; tem uma dimensão socioafetiva e familiar por se tratar de um tempo de expectativa do nascimento do Salvador da humanidade dentro do contexto de uma família concreta.

O advento tem também uma dimensão estética e, sobriamente festiva, como sinais reveladores do sentimento de alegria, e expectativa da acolhida do Filho de Deus. Esse sentimento de esperança e alegria leva os fies à decoração de ambientes. Sinais evidentes e significativos dessa dimensão estética, rica de memória, é a montagem do presépio e da árvore de Natal.

O Filho de Deus é a árvore da Vida, por isso disse: “eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10); “Eu sou o pão da vida” (Jo 6,48); “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11,25); “quem crê possui a vida eterna” (Jo 6,47); «Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6). O tempo do advento é uma ocasião especial para uma renovada contemplação da beleza da vida humana, pois o Senhor da Vida a assume e se encarna por inteiro no concreto da nossa história.

Pistas para compromissos

Diante disso, não devemos reduzir o tempo do advento às celebrações litúrgicas. O esquecimento dos seus compromissos concretos esvaziaria a grandeza da sua finalidade. Somos convidados a fazer todo esforço possível para conceber a experiência do advento como um caminho de preparação ao Natal; naturalmente esse processo de preparação tem sempre diversas dimensões e deve abraçar a nossa vida.

Com a intenção de facilitar a vivência do tempo do advento seguem algumas pistas que podem ser colocadas em práticas em diversos níveis: pessoal, familiar e comunitário. Dependendo do fervor do zelo do fiel, da família ou da comunidade, pode-se organizar uma agenda dessas atividades para cada dia, considerando que algumas delas podem ser repetidas. Seguem as atividades.

Preparar uma celebração penitencial. De preferência na comunidade ou na família. Essa celebração favorece a reflexão, o exame de consciência e a abertura para da conversão como sinal de mudança de vida. A celebração penitencial tem como finalidade a revisão de vida nos estimulando o desejo de mudança.

Organizar uma celebração da Reconciliação. Quantas vezes tanto na família, quanto nas comunidades, há conflitos, antipatias, rixas, mágoas, relacionamentos rompidos, hostilidade, indiferença, frieza, fofoca… de problemas interpessoais não resolvidos! A celebração da reconciliação fraterna gera a oportunidade para o retorno da paz, do perdão, da amizade. O caminho para a celebração do Natal deve nos levar à restauração das relações fraternas, caso contrário, não haverá Natal.

Preparar a celebração da Esperança. O tempo do advento é uma estrada de renovação da esperança, do otimismo e da alegria. Os profetas, sobretudo Isaías, nos convidam a essa reflexão. No mundo atual há muito medo, incerteza, pessimismo, opressão psicológica, desânimo, tristeza, pesar, luto… É preciso realimentar a esperança! O Messias que renasce em nós, é o mesmo que passa pela cruz, morte e ressuscita!

A novena do Natal. Já é um caminho proposto pela Igreja envolvendo, sobretudo, as famílias. Mas não devem ser feitas mecanicamente e com pressa… É preciso que os encontros sejam preparados e bem participados. Às vezes, poucos falam muito e grande parte fica calada. É preciso incentivar a partilha!

A Leitura Orante da Palavra de Deus. A liturgia da Palavra do tempo do advento é muito rica. Alguns encontros semanais, talvez, usando as leituras do domingo, poderia ser de grande enriquecimento para grupos. Pessoalmente cada um pode fazê-la todos os dias.

A experiência de visita à pessoas necessitadas como gesto de solidariedade e compromisso com a justiça. Pode ser também visitas à instituição como hospitais, abrigos, asilos, prisões, viciados… O Messias vem ao encontro dos oprimidos.

Propósito de uma boa ação para cada dia em casa, no trabalho, na comunidade, com os amigos… É experiência de treinamento de virtudes.

Aprofundamento sobre a identidade do Messias lendo o profeta Isaías.

Meditação sobre as virtudes de Maria, buscando conhecê-la mais profundamente.

Reflexão sobre as palavras e atitudes de João Batista e qual é a sua relação com a vida pessoal e os nossos dias.

Récita do Terço, mas com uma breve meditação dos mistérios entre cada dezena.

Uma experiência de retiro sobre o advento. Vale a pena reservar uma manhã ou um final de semana para um retiro e nele já fazer uma avaliação do ano.

Fazer a decoração da própria casa, colocando a cada semana algumas novidades. Não fazer tudo de uma só vez; a ideia é estimular um caminho de reflexão, como um convite para a ornamentação da vida.

Montar o presépio enfeitando-o com palavras e frases referentes às profecias, valores cristãos e bons estímulos como: ser fraterno, promover a paz, acolhida, perdão, solidariedade…

Visitar uma família e fazer com ela um encontro de oração e breve meditação da Palavra de Deus.

Distribuir frases bíblicas e valores pela casa e na frente, colocar algo que estimule as pessoas a pensar no verdadeiro Natal. Os símbolos e palavras nos ajudam!

Preparar o “amigo secreto” dentro de um contexto celebrativo, orante, festivo e fraterno ressaltando as virtudes das pessoas e seus bons propósitos de vida para o ano vindouro. Isso pode ser feito tanto na família, quanto no trabalho, nas comunidades… É importante que a confraternização não se reduza à comida e bebida.

Organizar a própria árvore de Natal decorando-a com palavras (valores).

Preparar a caixinha dos bons propósitos para que as pessoas, todos os dias, possam tirar uma sugestão de compromisso pessoal. Os compromissos devem ser simples, concretos e possíveis de serem cumpridos no dia. Pode ser também uma boa mensagem.

Escolher uma família muito pobre ou portadora de graves problemas para ser “adotada”, por um tempo, ou ao longo do ano e ajudá-la na superação dos dramas pelos quais passa.

Visitar uma Igreja e fazer um tempo de oração pessoal (adoração, louvor, súplica de perdão, ação de graças) e meditação mais aprofundada de um texto bíblico.

Convidar para a Ceia de Natal uma família pobre compartilhando com ela os próprios alimentos, amizade estímulos para o futuro.

Fazer uma seleção de músicas natalinas para serem ouvidas a longo do tempo do advento. A música tem um influxo educativo e terapêutico.

Promover um encontro com gestantes para compartilharem a experiência da gestação em todas as dimensões e compromissos.

Dedicar um tempo para estudo em grupo refletindo sobre o sentido do verdadeiro e o falso Natal. O que pode nos desviar do verdadeiro Natal? Como se manifesta as falsas celebrações do Natal?

PARA REFLEXÃO PESSOAL:

Quais são, em geral, as suas preocupações no tempo do advento?

Você acha importante assumirmos compromissos concretos no advento?

O que a sua família faz de extraordinário no tempo do advento?

_________________
In: CNBB

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: