Judaísmo e Cristianismo – Parte 39: A Revolução Francesa e os Judeus

39 – A Revolução Francesa e os Judeus

Por Philippe Haddad [1]
Tradução de Pe. Fernando Gross

Após a Revolução de 1789 e a Emancipação de 1791, os judeus se espalharam sobre o território francês (especialmente na região de Bordeaux, na Alsácia, na Provença e em Paris) e se tornando franceses de confissão israelita (ou mosaica). Já na América do Norte havia sido feito o acordo em 1785 para que os judeus tivessem a cidadania americana, mas a França foi a primeira nação da Europa a cortar laços com o seu passado medieval. Os judeus já não eram mais vistos como estrangeiros ou pertencentes a uma nação em exílio, mas tanto quanto cidadãos do povo que os acolheu. Tal foi o sentido histórico do Israelitismo.

Em 1807 Napoleão reuniu uma assembléia de rabinos e de notáveis que ele batizou de “Grande Sinédrio” em memória daquele de Jerusalém, e pediu a essa instância religiosa de se pronunciar em relação às obrigações civis do Estado. O Sinédrio avançou, como tinha feito alguns séculos anteriores, na expressão do Talmud: “A lei do país é a minha lei”. Para eles, o espaço público devia estar submetido à legislação do país, quanto às práticas de culto, elas permaneceriam na esfera privada. E isso deu origem aos Consistórios (1808-1809) que funcionam ainda hoje praticamente sob o mesmo modelo de Napoleão (Grande Rabino da França, Grandes Rabinos Regionais, Rabinos locais), e tinham e tem a função de gerar a vida religiosa das comunidades na França. Os judeus ficaram tão impressionados com esse gesto que por reconhecimento, os mais republicanos criaram em 1858 a Aliança Israelita Universal (AIU) que existe até hoje. Essa Aliança tem como tarefa espalhar o espírito da Revolução e da cultura francesa a todas as comunidades judaicas pelo mundo. A dinâmica da emancipação parecia agora irreversível.

____________________

[1] As publicações desta série sobre o Judaísmo são extraídas da obra do Rabino francês Philippe Haddad, no livro: Como explicar o judaísmo aos meus amigos. A tradução é de Pe. Fernando Gross. In: www.judaismoecristianismo.org

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s