A Legitimidade da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Por Hermes de Abreu Fernandes

Mediante os recentes ataques ao Papa Francisco, a Dom Orlando Brandes e à CNBB por parte do Deputado Estadual (SP) Frederico D’Ávila, nosso Blog viu a necessidade de se elucidar dúvidas que estão a ser semeadas. Há sempre nas redes sociais, por mídia escrita ou audiovisual, pessoas que se dizem cristãs, e até católicas, mas atentam contra a comunhão dentro da Igreja. Entre muitos ataques, a CNBB é alvo de calúnias e deslegitimação quanto ao seu papel pastoral e legítima organização institucional. Apregoa-se que o magistério da CNBB não é legítimo por não reunir, de fato, os líderes da Igreja Católica no Brasil. Insinuam que dela participam os que se sentem simpatizantes às suas diretrizes. Fato é que essa afirmação é mentirosa, no mínimo, equivocada.

Primeiramente, a CNBB é composta por todos os bispos do Brasil. Sua adesão não é facultativa. Faz parte do Mister Pastoral do Episcopado viver em comunhão com seus irmãos de ministério. Pertencem à CNBB, pelo próprio direito, todos os Bispos diocesanos do Brasil e os que são a eles equiparados pelo direito, os Bispos coadjutores, os Bispos auxiliares e os outros Bispos titulares, que exercem no mesmo território algum encargo especial, confiado pela Sé Apostólica ou pela Conferência dos Bispos (cf. Cân. 450). Neste sentido, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil não é um sindicado de bispos, um clube de amigos, mas a organização institucional dos bispos eleitos pela Santo Padre e investidos do munus pastoral, continuadores do ministério apostólico. Atacar à CNBB, é atacar todo o episcopado, rompendo com a tradição apostólica.

Em segundo lugar, cabe aqui enumerar os atributos da Conferência Episcopal. Há quem apregoe que esta não deve se ocupar de questões sociais e ou políticas. Mais uma vez, nesta afirmação ausenta a verdade. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, segundo seu estatuto, tem por finalidade:

  • aprofundar cada vez mais a comunhão dos Bispos;
  • estudar assuntos de interesse comum da Igreja no País, para melhor promover a ação pastoral orgânica;
  • deliberar em matérias de sua competência, segundo as normas do direito comum ou de mandato especial da Sé Apostólica;
  • manifestar solicitude pela Igreja Universal, através da comunhão e colaboração com a Sé Apostólica e com as outras Conferências Episcopais;
  • cuidar do relacionamento com os poderes públicos, a serviço do bem comum, ressalvado o conveniente entendimento com a Nunciatura Apostólica, no âmbito de sua competência específica.

Como podemos ver acima, cabe à CNBB ser voz profética sempre quando o Bem Comum, a Dignidade Humana e a Paz se fizem ameaçadas. Tal atitude profética se sustenta no dever de que a Igreja reivindica sempre a liberdade a que tem direito, para pronunciar o seu juízo moral acerca das realidades sociais, sempre que os direitos fundamentais da pessoa, o bem comum ou a salvação humana o exigirem (cf. Gaudium et Spes, 76).

Em síntese, a preocupação da Igreja com o Bem Comum, com os Direitos Humanos e Ecológicos, com o Desenvolvimento Integral do Homem e da Mulher; está concomitante com o Projeto de Jesus e seu Evangelho, assim como, com o Magistério Apostólico. Aqueles que tentam deslegitimar a CNBB e seu ministério, rompe com a comunhão eclesial, pondo-se à parte, na condição de voluntária excomunhão. Não se pode ser católico e se colocar em oposição à CNBB. Quando filhos rompem com seus pais, a família se dissolve. Quando o Povo de Deus repele seus bispos, declara-se fora da comunhão com o Corpo de Cristo, a Igreja. Ubi Episcopus, Ibi Ecclesia.

Que não perseverem em nosso meio esses ideais separatistas, onde católicos se sintam no direito de escolher a que grupo pertençam. Não se pode ter a Igreja que quer, mas a Igreja de Jesus. O Corpo de Cristo, isto é, a Igreja; se faz como um todo. Não se pode romper a comunhão. Há, de fato, diferentes carismas, mas uma só é nossa fé (cf. Ef 4,5). Em comunhão, vivenciando o amor fraterno e respeito aos nossos Pais na Fé, os bispos, devemos seguir na construção do Reino de Deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s