Reconstrói a Igreja

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo

A Igreja Católica, nos seus mais de dois mil anos de história, inspirada e interpelada, em primeiro lugar, pela Palavra de Deus – luz luzente no caminho e lâmpada para os pés -, e pelas riquezas de sua tradição, acolhe o desafio de buscar respostas necessárias a um mundo que precisa ter o sabor do Evangelho de Jesus Cristo. A fidelidade ao Evangelho e à Tradição alicerçam a escuta desta convocação também ouvida por São Francisco de Assis, há muito séculos: “Reconstrói a minha Igreja”. Agora, essa convocação nasce no coração amoroso do Papa Francisco, que interpela o Povo de Deus para viver o tempo do Sínodo, até outubro de 2023. Uma reconstrução para marcar a contemporaneidade com funcionamentos que garantam o incondicional respeito ao dom inviolável da vida, por uma sociedade justa e solidária. Caminho que envolve todos os fiéis, com abertura para escutar homens e mulheres de boa vontade, especialmente na chamada fase diocesana. Essa fase terá início nas mais de 3000 dioceses de todo o mundo, nas igrejas-catedrais, a partir do próximo domingo, 17 de outubro. Um processo sinodal com a singularidade da participação de todos, fruto do entendimento profético e da convocação evangélica do Papa Francisco.

O Sínodo remete a Igreja aos horizontes sempre inspiradores e interpelantes do Concílio Ecumênico Vaticano II, com a irremediável tarefa de revisitar suas fontes, retomar experiências e banhar-se da mística do Evangelho para dar conta, neste tempo do terceiro milênio, do laborioso desafio da reconstrução. A grande meta é ser, sempre mais, uma Igreja de comunhão, participação e missão. A instância Sínodo dos Bispos, nascida por inspiração de São Paulo VI, então Papa, para dar continuidade às inspirações, indicações e práticas do Concílio Vaticano II, incorpora e efetiva uma importante inovação:  além de ser mecanismo de consulta, torna-se caminho para a participação do Povo de Deus, preparando a celebração da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, em outubro de 2023. Os católicos todos estão convidados a compreender a importância do processo sinodal para adequadamente participar – clarividentes na consideração das céleres e profundas mudanças culturais e civilizatórias contemporâneas, conscientes da necessidade de novas respostas aos desafios atuais, pela convicção de que o seguimento de Jesus é precioso. O Evangelho é arca de respostas ansiadas pelo coração humano e, com a contribuição do processo sinodal, poderá inspirar um novo jeito de ser, viver e missionar.

“Para uma Igreja Sinodal: comunhão, participação e missão”, eis a convocação do processo iniciado pelo Papa Francisco. Refletindo sobre o caminho percorrido, todos os fiéis, lado a lado, juntos, devem investir, sempre mais, em nova aprendizagem sobre viver a comunhão, participar da Igreja e abrir-se à missão. Continuamente aperfeiçoar o “caminhar juntos”, amadurecendo a compreensão de que todos são o Povo de Deus peregrino. Cada cristão católico está, pois, especialmente convocado a se expressar, com espírito de amoroso pertencimento, de modo orante e lúcido, em atenta escuta ao Espírito Santo de Deus, sobre os novos caminhos que a Igreja deve seguir em sua missão. Indispensável é sempre se recordar que o Espírito Santo tem inspirado o caminho da Igreja, nestes mais de dois mil anos, convocando os fiéis a dar efetivo testemunho do amor de Deus, pela oportunidade de cada um de contribuir para o bem da humanidade.

O processo sinodal convocado e iniciado pelo Papa Francisco inspira cada pessoa a assumir suas responsabilidades para que a comunidade cristã, de modo cada vez mais credível, em diálogo e cooperação com outros segmentos da sociedade civil, capacite-se para oferecer respostas, ações e práticas com o sabor do Evangelho de Jesus Cristo. O grande apelo é para que todos caminhem juntos neste tempo de aceleradas transformações para uma grande reação missionária. Todos convictos de que é tarefa da cidadania civil, fecundada pela cidadania do Reino de Deus, reconstruir a sociedade, para que seja mais fraterna e justa, superando vergonhosas desigualdades.

As muitas crises, agravadas pela pandemia da COVID-19, evidenciam ainda mais a necessidade urgente de se reconstruir a humanidade pela experiência da fé. Para isso, é imprescindível a missionária reconstrução da Igreja – servidora e sacramento de salvação. Neste processo de reconstrução, a Igreja inteira está desafiada a confrontar a cultura do clericalismo, superar os abusos de poder, investir no agir eclesial, com a participação de todos, encantando o mundo com um jeito novo de ser e de viver o Evangelho de Jesus. Renove-se a Igreja pela ação do Espírito Santo e pela escuta amorosa da Palavra de Deus, em uma grande experiência mística e profética: reconstruir a Igreja é contribuir com o Sínodo. Participe, informe-se, compreenda e contribua com o processo sinodal que reconstrói a Igreja.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s