“Livrai-nos do mal”

Por Hermes de Abreu Fernandes

Toda comunidade cristã faz uso do modelo que nos é apresentado por Jesus de oração. O Pai nosso nos acompanha em nosso diálogo com Deus. Chamamo-no de Pai. Pedimos que seja feita sua vontade, que seu Reino venha até nós. Pedimos que nos dê o pão de cada dia, que nos fortaleça face à concupiscência, diante das tentações e, por fim, pedimos que nos livre de todo mal.

Há tanto mal em nossa terra! Somos tentados a entender que o inferno é aqui. Ou, como nos disse algum filósofo, o inferno é o outro. Vivi para ver caridade e compromisso com os pobres ser subjugados à alcunha de comunismo. Ainda vivo para ver, quase sempre, pessoas sendo agredidas por suas diferenças. Pobres tendo sua vulnerabilidade social diagnosticada como tibieza, preguiça. Como se o fato de desejar o trabalho já lhe faria um sonho realizado. E, somente por se ter um trabalho, já se sucumbisse toda e qualquer forma de pobreza. Não! Não é assim. Há muitas questões atenuantes e agravantes ao que se refere à pobreza. Não basta ter ou não emprego. O Brasil precisa mudar sua mentalidade ao que se refere ao trabalho. As reformas trabalhista e previdencial nos são provas de que os governos não querem o bem da humanidade. Com a desculpa de que os cofres públicos estão na carestia, reduz-se direitos previdenciais e trabalhistas. Enquanto isso, os profissionais da política engordam seus direitos. Ao povo, retrocesso de direitos. Aos poderosos, galopam as mamatas.

A raiz de todo mal humano está na sua incapacidade de reconhecer sua humanidade. Desdenha-se sentimentos positivos. Amor, solidariedade, compromisso com a fragilidade do próximo; entre outras virtudes, andam meio que esquecidas por alguns. Por outros, são declaradamente marginalizadas. Direito à dignidade humana foi chamado por certo político de ideologia marxista. Citou a Bíblia em sua campanha eleitoral, todavia desconhece o elementar da Palavra de Deus. Não sabe que é ordem de Deus acolher o pobre, ir em socorro do que sofre, amar sem medida, perdoar infinitamente. Falar de justiça? Só se for o juiz que lhe presta aqueles especiais favores para facilitar seu apogeu nas eleições. O caos!

Morremos um pouco mais a cada dia. Pelo Covid-19, pela violência nas grandes cidades, pela fome e frio que estão sujeitos os indesejáveis da atual economia. Economia? Antes que esqueçamos, o capitalismo que se defende e vive em nossos tempos não vem de Deus. Penso que nosso Pai olha tudo isso e vomita. Um sistema que faz pouquíssimos ricos se tornar cada vez mais ricos, às custas de se tornar os pobres cada vez mais pobres. E quando chamamos esta problemática à reflexão, ao debate; vem-nos sempre aquele piedoso irmão e afirma – ao bem da fé e da tradicional família brasileira – que nosso discurso é comunismo, heresia, subversão. Olha que essas acusações pareciam ter ficado no passado. Entretanto, cada dia mais, vemos pessoas ressuscitar vilões mortos em nosso cotidiano. Vilões repressivos, autoritários, ultraconservadores. Levantam-se de seus sepulcros e escancaram suas bocarras a nos devorar como zumbis de película trash. Sim, nossa sociedade, nosso povo, parece ter sido transportado para um filme de terror. Daqueles bem ruins.

Diante destas mazelas, sofrimentos muitos, somos chamados a entender e inferir para nossos dias exortações do Senhor Jesus Cristo. Ele nos orientou a pedir incessantemente ao Pai por nossas necessidades. Pedimos que possa nos iluminar com seu Santo Espírito. Para que possamos entender que devemos viver segundo a proposta do Evangelho, não de outros governos que negam os valores de sua vontade. Sim, que seja feita a vontade de Deus. Que haja panela cheia em todos os lares, que cada homem e cada mulher tenha um teto sobre suas cabeças, saúde para seus corpos, alento para seu pranto. Que venha até nós o Reino de Deus. Justiça, Paz e Alegria. Acalentados por muito amor fraterno. Carecemos de amor, assim como de alimento. Carecemos de dignidade, assim como de água para nossa sede cotidiana. Sobretudo, carecemos de sermos – de fato – vistos e tratados como filhos de Deus e não como engrenagem da fábrica de produção do lucro de poucos privilegiados. Por fim, peçamos que nos livre da tentação de corrompermo-nos aos poderes contrários ao Reino de Deus. Que tenhamos entre nós a fé cristã como razão de nossa existência, rompendo com todas estas políticas de morte. Basta de um mundo sem Deus e, consequentemente, sem dignidade e alegria.

Por fim, digamos com Jesus: “livrai-nos do mal”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s