Um convite para sonhar juntos

Por Dom João Justino de Medeiros Silva
Arcebispo de Montes Claros – MG

Com muita frequência o Papa Francisco fala dos seus sonhos. Utilizando esse recurso, ele se aproxima de cada pessoa, pois sonhar faz parte do viver. Na Exortação Apostólica Evangelli gaudium, texto em que o Papa abre perspectivas para uma nova etapa evangelizadora, ele diz numa das passagens: “Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação. A reforma das estruturas, que a conversão pastoral exige, só se pode entender neste sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a pastoral ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de ‘saída’ e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade” (EG 27).

Quando escreve a Exortação Pós-sinodal Querida Amazônia, ele apresenta quatro sonhos para a Amazônia: “Sonho com uma Amazônia que lute pelos direitos dos mais pobres, dos povos nativos, dos últimos, de modo que a sua voz seja ouvida e sua dignidade promovida. Sonho com uma Amazônia que preserve a riqueza cultural que a caracteriza e na qual brilha de maneira tão variada a beleza humana. Sonho com uma Amazônia que guarde zelosamente a sedutora beleza natural que a adorna, a vida transbordante que enche os seus rios e as suas florestas. Sonho com comunidades cristãs capazes de se devotar e encarnar de tal modo na Amazônia, que deem à Igreja rostos novos com traços amazônicos” (QA 7).

Recentemente, foi publicado pela editora Intrínseca, um livro muito instigante: “Vamos sonhar juntos. O caminho para um futuro melhor”. Trata-se de uma conversa do Papa Francisco com o jornalista britânico Austen Ivereigh. Sem medo de exagero, o livro deveria ser lido por todo o clero e, também, por todo o laicato. Aos críticos do Papa faria muito bem uma leitura atenta e sem preconceitos. Os homens e mulheres que sonham um mundo novo são chamados a ler esse livro para dialogar, talvez, com o maior líder mundial nesse momento da história. Não se trata, pois, de uma obra exclusiva para religiosos. O texto é muito pertinente para conhecer as principais intuições do primeiro Papa latino-americano. Os diálogos e os escritos foram produzidos no contexto da pandemia do novo coronavírus. Além do prólogo e do epílogo, três capítulos se intitulam, respectivamente: Tempo de ver; Tempo de escolher; Tempo de agir. Francisco considera esse “o momento para sonhar grande e repensar nossas prioridades”. Junto de seus sonhos, semeia esperanças de uma economia inclusiva e guiada pela ética e pela política, não uma economia autônoma; de nova percepção e compromisso com a criação ou Casa Comum; de uma Igreja marcadamente sinodal, em que a escuta dos seus membros seja constante, em favor da dinâmica do discernimento e da evangelização.

Para a Arquidiocese de Montes Claros, que está celebrando sua IV Assembleia de Pastoral, nada melhor, nessa hora, do que se deixar guiar pelas intuições do Papa Francisco. De fato, queremos ser uma Igreja de Comunidades eclesiais missionárias a serviço do Evangelho da Vida. E para estar a serviço do Evangelho da Vida nossas comunidades precisam incluir o cuidado com a educação, com a economia e com a ecologia. Que os nossos sonhos se concretizem.

Fonte: Arquidiocese de Montes Claros – MG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s