“Vejam como não se amam!”: intolerância intracatólica e anti-evangelização em rede

Por Moisés Sbardelotto*

O fenômeno da intolerância em rede vem desafiando a reflexão e a ação social em vários âmbitos. A Igreja não fica isenta disso. Neste artigo, aborda-se primeiramente o fenômeno do ódio digital em geral, com base na ação dos chamados haters. Em seguida, são enfocados especificamente o ódio digital intracatólico e a prática da “excomunicação”. Por fim, à luz do magistério do papa Francisco, sustenta-se que a comunicação contemporânea convoca os cristãos e cristãs para uma demonstração concreta e encarnada de amizade e diálogo sociais, bem como de santidade em rede, reconhecendo que, por trás das telas mediante as quais nos comunicamos hoje, está nosso “próximo”, cuja dignidade deve ser respeitada e defendida.

Introdução

“Diga-me com quem andas e te direi se vou te odiar.” Hoje, nos contatos por meio da internet, toda opinião é passível de outra opinião, em sentido frontal e agressivamente contrário. Não basta gostar ou desgostar de algo: é preciso também desgostar daqueles que gostam daquilo de que não gosto. A raiva e o rancor se digitalizam e permeiam sites e redes sociais digitais mediante expressões de intolerância, indiferença, desinformação, negacionismo, difamação, discriminação, preconceito, xenofobia. O ódio, assim, ganha forma de bits e pixels, principalmente pela ação dos chamados haters, os odiadores, aqueles que amam odiar.

Tal situação faz parte de um fenômeno mais amplo e recente, caracterizado pela difusão de desinformação e má informação, como as chamadas fake news. Essa “poluição de informações em escala global” gera verdadeira “desordem informacional” (WARDLE; DERAKHSHAN, 2018). Nesse contexto, atos de violência simbólica e discursos de ódio abundam nas plataformas digitais. O fenômeno da intolerância em rede desafia a reflexão e a ação social em vários âmbitos. A Igreja não fica isenta disso.

As interações em rede entre pessoas que se identificam publicamente como católicas evidenciam um panorama semelhante. A intolerância intracatólica se manifesta na comunicação de opiniões agressivas, repressivas ou violentas contra o diferente e a diferença no interior do próprio catolicismo. Desse modo, a pessoa que está do outro lado da tela já não é um “irmão ou irmã na fé”, mas apenas alguém sobre o qual se descarrega todo o próprio ódio pessoal, camuflado de defesa da tradição, da doutrina e da liturgia, com citações artificiosamente pinçadas da Bíblia e do Catecismo.

Nada nem ninguém estaria acima desse “tribunal da Santa Inquisição digital”. Nem mesmo o papa ou a hierarquia eclesiástica – por exemplo, bispos individuais ou a própria Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Basta circular pelas redes para verificar a frequência com que tais autoridades são censuradas publicamente como “hereges” (ou coisas piores) em comentários públicos e também em vídeos dos chamados “youtubers católicos”, que se erigem em “grandes guardiões da verdade […], novos mestres do saber da fé, criando novas sumas e tratados […], criando para si e em torno a si novos oráculos da revelação” (KUZMA, 2019).

Em uma era pré-digital, o papa São João Paulo II (1980) já falava dos riscos das “várias formas de antievangelização”. Atualizando sua reflexão para estes tempos de redes sociais digitais, fica ainda mais evidente que, ao observarmos o modo como católicos e católicas às vezes se relacionam em rede, “passados dois mil anos de cristianismo, o Evangelho do Senhor está bem longe de ser conhecido” (PAPA JOÃO PAULO II, 1980). Trata-se de algo tão contrário ao testemunho, que o papa Francisco se propôs refletir sobre o fenômeno em importantes documentos do seu magistério pontifício. Na sua carta encíclica Fratelli Tutti, ao falar das “redes de violência verbal através da internet”, alimentada também por pessoas cristãs e católicas, o papa questiona: “Agindo assim, qual contribuição se dá para a fraternidade que o Pai comum nos propõe?” (FT 46).

Neste artigo, abordaremos primeiramente o fenômeno do ódio digital em geral, com base na ação dos chamados haters. Em seguida, focaremos especificamente o ódio digital intracatólico e a prática da “excomunicação”. Por fim, à luz do magistério do papa Francisco, sustentaremos que a comunicação contemporânea convoca os cristãos e cristãs para uma demonstração concreta e encarnada de amizade e diálogo sociais e, principalmente, de santidade em rede, reconhecendo que, por trás das telas, estão pessoas humanas, estão nossos “irmãos e irmãs”, está nosso “próximo”, cuja dignidade deve ser respeitada e defendida.

1. Ódio digital: a ação dos haters

Por que uma pessoa odeia? A psicologia nos oferece inúmeras explicações, sob as mais variadas lentes de leitura. Em geral, trata-se da canalização, para outra pessoa, de raivas, rancores, remorsos, desprazeres, frustrações pessoais (alienação). “O eu odeia, abomina e persegue, com intenção de destruir, todos os objetos que constituem uma fonte de sensação desagradável para ele, sem levar em conta que significam uma frustração […] da satisfação das necessidades de autopreservação” (FREUD, 1980[1915], p. 160).

De modo geral, o ódio é expressão humana que remonta aos séculos e não está restrito a uma cultura ou lugar específicos. Todos podem odiar, com meios e em graus diferentes. Entretanto, “as razões atribuídas ao ódio nada mais são do que circunstâncias favoráveis, simples ocasiões, raramente ausentes, de liberar a vontade de simplesmente destruir” (GLUCKSMANN, 2007, p. 11, grifo nosso). Isso também vale na internet: “A busca pela disseminação do ódio pode estar associada a certo gozo usufruído pelo hater pelo excesso de prazer que é possível de lhe causar […], visando unicamente o prazer do ‘odiador’ pela destruição psicológica causada ao outro” (REBS; ERNST, 2017, p. 29-30).

hater, contudo, difere da pessoa comum que manifesta seu ódio fora das redes. Podemos dizer, em síntese, que o diferencial do “odiador digital” é o alcance do seu ódio e a velocidade em que este se dissemina – e, com isso, o dano, o estrago, a infelicidade que ele causa. “A agressividade social encontra um espaço de ampliação incomparável nos dispositivos móveis e nos computadores” (FT 44, grifo nosso). Hoje, em um período de “revolução digital”, o ódio digitalizado se torna ubíquo, presente em toda parte e disponível a qualquer momento.

Se antes o ódio se restringia ao contato pessoal e aos pequenos círculos, um “odiador digital” pode expressar seu ódio com o auxílio de poderoso aparato de comunicação – que é também muito acessível e de fácil utilização, além de caber no bolso –, conferindo-lhe uma dimensão social muito maior. É o próprio hater quem controla a transformação do seu ódio privado em ódio público, com um clicar de botões. Ademais, atualmente é possível não apenas odiar, mas também conectar os vários ódios, mediante a conexão digital sem fronteiras entre vários odiadores, que “comungam” de um mesmo ressentimento e atacam seus alvos por meio de verdadeiro “efeito-enxame” em rede (HAN, 2018).

No fundo, o ódio é uma forma de desprezo e descarte: o “outro” a quem odeio não me importa, me é indiferente, ou só me importa como “bode expiatório” dos meus próprios ressentimentos. A internet, assim, torna-se campo fértil para o crescimento de uma “cultura do descarte” digital, para usar a expressão do papa Francisco (EG 53). Na Fratelli Tutti, o papa afirma que tais ações visam a “destroçar a figura do outro, num desregramento tal, que, se existisse no contato pessoal, acabaríamos todos por nos destruir entre nós” (FT 44, grifo nosso). Essa comunicação mata!

A circulação do ódio ocorre de forma imprevisível e – o mais preocupante – irreversível. Com isso, o ódio adquire maior força simbólica na cultura, afetando também o campo religioso, mais especificamente o intracatólico.

2. Ódio digital intracatólico: excomunicação entre “irmãos e irmãs na fé”

Como aponta Massimo Faggioli (2017), nesta “era da raiva”, vem emergindo, particularmente no ambiente digital, “um novo tipo de censura que usa a violência verbal para intimidar os católicos individuais, assim como as instituições dentro da Igreja”. Os sujeitos de tais práticas formam aquilo que o autor chama de “cibermilícias católicas […], propagandistas verbalmente violentos das mídias sociais católicas”, dada sua militância venenosa em prejuízo da comunhão eclesial. O principal risco disso é o surgimento de uma eclesiologia que “humilha a Igreja, incluindo suas lideranças institucionais, que parecem impotentes perante a pressão social midiática” (FAGGIOLI, 2017).

No Brasil, as pessoas que dinamizam esse fenômeno intracatólico ganharam também a definição de “catolibãs”, ou seja, católicos-talibãs, que atuam com base na violência simbólica (mas nem por isso menos preocupante e hedionda). Pregam a exclusão de tudo o que seja “catolicamente diferente” e de todos os “catolicamente outros”. Para tais extremistas, existiria apenas um único catolicismo, puro, cristalino, são e verdadeiro, sem nuances, bem delimitado e definido – pelos seus próprios esquemas e padrões mentais ou por documentos da Igreja de séculos passados.

A “autoridade digital” desses católicos fundamentalistas não vem do saber teológico (academia) nem do poder eclesiástico (hierarquia), mas de um saber-fazer e de um poder-fazer midiáticos. Trata-se de pessoas muitas vezes sem qualquer relevância ou reconhecimento acadêmicos ou eclesiásticos que, porém, captaram muito bem as lógicas das mídias digitais, dominando suas linguagens (saber-fazer) e ocupando espaços comunicacionais não raro negligenciados pela própria Igreja (poder-fazer). Assim, vão conquistando visibilidade e autoridade sociais e até mesmo eclesiais, atuando em rede como “inquisidores digitais”.

Diante da crescente explicitação de tais problemáticas comunicacionais antes menos evidentes, a Igreja precisou atentar para os limites da comunicação em rede. Em geral, a abordagem eclesiástica voltava-se a um fenômeno considerado como externo à Igreja, operado apenas por agentes não eclesiais (como os profissionais das mídias) e que investia contra ela, de fora para dentro.

Foi o papa Francisco quem inovou ao acompanhar os desdobramentos desse processo. Segundo ele, não se trata de um fenômeno apenas “extrarreligioso” em relação à Igreja católica, mas principalmente “intrarreligioso”, isto é, de ódio instigado e disseminado entre os próprios católicos, dentro do próprio catolicismo:

Pode acontecer também que os cristãos façam parte de redes de violência verbal através da internet e de vários fóruns ou espaços de intercâmbio digital. Mesmo nas mídias católicas, é possível ultrapassar os limites, tolerando-se a difamação e a calúnia e parecendo excluir qualquer ética e respeito pela fama alheia. Gera-se, assim, um dualismo perigoso, porque, nestas redes, dizem-se coisas que não seriam toleráveis na vida pública e procura-se compensar as próprias insatisfações descarregando furiosamente os desejos de vingança. É impressionante como, às vezes, pretendendo defender outros mandamentos, se ignora completamente o oitavo: “Não levantar falsos testemunhos” e destrói-se sem piedade a imagem alheia. Nisto se manifesta como a língua descontrolada “é um mundo de iniquidade; (…) e, inflamada pelo Inferno, incendeia o curso da nossa existência” (Tg 3,6) (GE 115, grifo nosso).

Trata-se de um reconhecimento crítico de grande relevância e, ao mesmo tempo, sem precedentes, ao explicitar o contratestemunho e a antievangelização gerados pela intolerância intracatólica. De acordo com o papa, com a difusão de tais atitudes, as redes sociais digitais frequentemente se tornam “um lugar de inimizade, onde se litiga por todo  lado, onde há ódio em toda parte, onde constantemente classificamos os outros […], o reino do orgulho e da vaidade, onde cada um se julga no direito de elevar-se acima dos outros” (GE 71).

Esse “inferno em rede” leva à propagação de uma Igreja paralela digital, que não condiz nem com os tempos (para tais católicos, só vale aquilo que veio antes do Concílio Vaticano II) nem com os lugares (segundo tais grupos, qualquer tentativa de inculturação da fé em expressões não europeias, populares ou periféricas é inconcebível) nem com as pessoas (do ponto de vista desses autodenominados “católicos”, Francisco é um “antipapa” e os bispos brasileiros, simplesmente, “300 picaretas”).

Desse modo, esses católicos se manifestam como verdadeiros e-reges, hereges da era digital. Fazem uma “livre escolha” (em grego: hairesis) de aspectos do catolicismo que mais lhes agradam (mesmo que ultrapassados ou até fictícios) e das pessoas mais aptas, segundo eles, para comungar desse pseudocatolicismo. Tudo e todos que não estão de acordo com sua visão de Igreja-seita devem ser excluídos.

Tal exclusão, geralmente agressiva e violenta, é comunicada em rede como uma excomunhão (do latim excomunicatio) dos supostos “hereges”, ou seja, de todos aqueles que se desviam desse imaginário eclesial distorcido. Para isso, opera-se uma excomunicação, uma comunicação de que a comunicação alheia (do papa, dos bispos, dos demais católicos) deve cessar ou não deveria nem existir. Trata-se de comunicação voltada ao silenciamento ou ao aniquilamento de outra comunicação, para que o discurso próprio se torne único e dominante (SBARDELOTTO, 2020).

Excomunicando seus próprios irmãos na fé, tais católicos vão corroendo a comunhão eclesial. Na verdade, ao agirem comunicacionalmente como não cristãos, de forma antievangélica, são essas pessoas que se auto-excluem da comunhão eclesial. Excomunicando, excomungam-se.

3. Concluindo para começar: a busca da “amizade social” e da “santidade digital”

Tertuliano, escritor eclesiástico do primeiro século da Igreja, testemunhava que os primeiros cristãos e cristãs viviam tão concretamente o “novo mandamento” de Jesus em seu modo de vida e de relação, que os pagãos exclamavam, admirados: “Vejam como se amam!” Dois milênios depois, o que é preciso fazer para que essa frase possa voltar a ser dita também em relação ao modo como católicos e católicas se relacionam em rede? Como dar um testemunho semelhante na cultura digital, em sentido contrário à intolerância intracatólica e à antievangelização?

O papa Francisco propõe algumas possíveis respostas, especialmente em dois de seus documentos: na Fratelli Tutti, a proposta da amizade e do diálogo sociais; já na Gaudete et Exsultate, o chamado à santidade, também em rede.

Para Francisco, a amizade social “não exclui ninguém” (FT 94) e está diretamente ligada àquilo que ele chama de “diálogo social”. “Para nos encontrar e ajudar mutuamente, precisamos dialogar” (FT 198). O diálogo, contudo, não é sinônimo de “troca febril de opiniões nas redes sociais”, geralmente marcada por “tom alto e agressivo” (FT 200). Pelo contrário, o diálogo é uma opção comunicacional “entre a indiferença egoísta e o protesto violento” e age “de forma discreta” (FT 198-199). Tem em vista o bem comum e o reconhecimento das “diversas riquezas culturais”, e não os “próprios interesses ideológicos” nem as próprias “conveniências pessoais” (FT 199-202).

Dialogar, portanto, pressupõe “a capacidade de respeitar o ponto de vista do outro” e ainda de “entender o sentido daquilo que o outro diz e faz, embora não se possa assumi-lo como uma convicção própria” (FT 203). Para isso, é preciso “cultivar a busca da verdade”, acima de tudo a “verdade da dignidade humana” (FT 207). Segundo Francisco, podemos aprender alguma coisa com todos e todas: “Ninguém é inútil, ninguém é supérfluo” (FT 215).

A construção da “comunhão universal” envolve uma comunicação universal, que busca o “encontro com o mistério sagrado do outro” (FT 277). “Isso implica o hábito de reconhecer, ao outro, o direito de ser ele próprio e de ser diferente” (FT 218, grifo nosso). Comunicar, portanto, é harmonizar diferenças.

Uma comunicação harmoniosamente amigável e dialogante consegue “criar aquela convivência sadia que vence as incompreensões e evita os conflitos” e “abre caminhos onde a exasperação destrói todas as pontes” (FT 224). Para tanto, não são necessários “recursos profissionais e midiáticos” (FT 216). Trata-se de trabalho artesanal, praticado pelos “artesãos de paz” (FT 225), cujo fruto é a “paz social” (FT 217).

Tudo isso está ligado ao chamado à santidade que o papa Francisco aprofunda em sua exortação apostólica Gaudete et Exsultate. Em suas palavras, “a santidade nada mais não é do que a caridade plenamente vivida” (GE 21), também em rede. “Todos somos chamados a ser santos, vivendo com amor e oferecendo o próprio testemunho nas ocupações de cada dia, onde cada um se encontra” (GE 14, grifo nosso). Esse “onde” certamente envolve também o ambiente digital e as diversas presenças em rede.

Diante da intolerância intracatólica, a “santidade digital” se expressa principalmente como mansidão. Como resposta às contrariedades e agressões dos outros, o papa Francisco convida a “permanecer centrado, firme em Deus que ama e sustenta. […] ‘Se Deus está por nós, quem pode estar contra nós?” (GE 112). Essa firmeza interior “impede de nos deixarmos arrastar pela violência que invade a vida social, porque a graça aplaca a vaidade e torna possível a mansidão do coração” (GE 116, grifo nosso). Também em rede, “o santo não gasta suas energias a lamentar-se dos erros alheios” e “evita a violência verbal que destrói e maltrata” (GE 116). “Reagir com humilde mansidão: isto é santidade” (GE 74).

Em suma, a pessoa santa é aquela que age, reage e interage em rede movida pelo amor. Já disse Jesus: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros” (Jo 13,35). Diante do aumento da agressividade, Francisco também convida ao “cultivo da amabilidade”, que é “um estado de ânimo não áspero, rude, duro, mas benigno, suave, que sustenta e conforta” (FT 223). Isso significa “dizer palavras de incentivo, que reconfortam, consolam, fortalecem, estimulam, em vez de palavras que humilham, angustiam, irritam, desprezam” (FT 223).

A amizade e o diálogo sociais, inspirados na mansidão e no amor cristãos, favorecem reconhecer, do outro lado da tela, “um ser humano com a mesma dignidade que eu, uma criatura infinitamente amada pelo Pai, uma imagem de Deus, um irmão redimido por Jesus Cristo. Isto é ser cristão!” (GE 98) – também e principalmente nas relações em rede.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FAGGIOLI, Massimo. Cibermilícias católicas e as novas censuras. IHU On-Line, 19 set. 2017. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/571820&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

FREUD, Sigmund. Pulsão e seus destinos. In: ______. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1980[1915]. v. 14.

GLUCKSMANN, André. O discurso do ódio. Rio de Janeiro: Difel, 2007.

HAN, Byung-Chul. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes, 2018.

KUZMA, Cesar. Youtubers ou inquisidores, profetismo ou difamação: desafios para a evangelização no universo cultural nas redes sociais. IHU On-Line, 25 jan. 2019. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/586308&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

PAPA FRANCISCO. Evangelii Gaudium: Exortação apostólica sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual (EG), 2013. Disponível em: <http://goo.gl/FCZf87&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

______. Gaudete et Exsultate: Exortação Apostólica sobre o chamado à santidade no mundo atual (GE), 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2Hns382&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

______. Fratelli Tutti: Carta Encíclica sobre a fraternidade e a amizade social (FT), 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3oOiCTQ&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

PAPA JOÃO PAULO II. A Igreja encarna-se na missão e plasma o homem novo. Mensagem para o Dia Mundial das Missões de 1980. Vatican.va, 25 maio 1980. Disponível em: <https://bit.ly/3ikd68Y&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

REBS, Rebeca R.; ERNST, Aracy. Haters e o discurso de ódio: entendendo a violência em sites de redes sociais. Diálogo das Letras, v. 6, n. 2, p. 24-44, jul./dez. 2017. Disponível em: <https://bit.ly/3bGyRPa&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

SBARDELOTTO, Moisés. Excomunicação: novos modos de intolerância intrarreligiosa em tempos de midiatização digital. In: CUNHA, M. N.; STORTO, L. J. (Org.). Comunicação, linguagens e religiões: tendências e perspectivas na pesquisa. Londrina: Syntagma, 2020. p. 151-180.

WARDLE, Claire; DERAKHSHAN, Hossein. Information disorder: toward an interdisciplinary framework for research and policymaking. Council of Europe Report, DGI(2017)09. 2. ed. Strasbourg: Council of Europe, 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2GMRrUE&gt;. Acesso em: 15 jan. 2021.

Moisés Sbardelotto*

é jornalista e doutor em Ciências da Comunicação. Membro do Grupo de Reflexão sobre Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e colaborador do Instituto Humanitas Unisinos (IHU). Seu livro mais recente é Comunicar a fé: Por quê? Para quê? Com quem? (Ed. Vozes, 2020). E-mail: m.sbar@yahoo.com.br

Fontes – Texto: Vida Pastoral, Imagem: Diocese de Osório

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s