Pôncio Pilatos: a figura de um político medíocre e infeliz

Por Guillermo Daniel Micheletti

INTRODUÇÃO

É curioso que, aos domingos, celebrando a Eucaristia, milhões de católicos, ao professarem o credo na Liturgia da Palavra, não percebam que lembramos um pagão romano chamado Pôncio Pilatos (PP) (cf. 1Tm 6,13). Na primeira versão do creio de Niceia, PP não é mencionado, mas seu nome será fixado na versão definitiva do creio do Primeiro Concílio de Constantinopla. Assim, em nossos símbolos da fé, confessamos que “[Jesus] por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos” (credo niceno-constantinopolitano) ou “padeceu sob Pôncio Pilatos” (símbolo apostólico).

1. Que conhecemos de Pilatos? Alguns dados biográficos

Colhendo os escassos dados biográficos sobre PP, podemos dizer que pertenceu à prestigiosa e burguesa “família dos Ponzi”, de tradição muito afeita a cavalos de bigas. O apelido Pilatus vem de pilleus, um tipo de chapéu que, em algumas regiões, o escravo liberto recebia como distintivo (hoje usado pelos bispos com o nome de “solidéu”). Pilatos foi homem habilidoso no lançamento do dardo. Pelo conjunto da obra de sua carreira militar, recebeu, como honra e prêmio, o cargo de prefeito da Judeia (em grego Ioudaia, em hebraico Yehûdãh) (LÉMONON, 2009, p. 33).

A menção a PP parece seguir o caminho que emoldura, em parte, o marco histórico da vida de Jesus. Estabelece-se com ela que Jesus não foi uma “lenda celestial”, um “semideus”, senão um homem de carne e osso, cuja vida pode ser datada e situada no tempo e no espaço da história humana, o qual morreu numa região governada por um procurador/prefeito romano “não muito conhecido” de nome PP. A figura de PP, não obstante, aparece não apenas para balizar uma referência histórica sobre Jesus, mas também – e sobretudo – como “poder de decisão”, pois não se diz “em tempos de” PP, e sim “sob” (sub PP, epi tou PP). A preposição “sob” reforça a ideia de autorizado domínio. Por sinal, o domínio político dos romanos era imponente, prepotente e humilhante. Muito longe do amor compassivo ensinado pelo “artesão” Jesus, que nada tinha de arbitrário nem submetia o ser humano ao fascínio do poder do divino.

No caso de Jesus, PP, embora soubesse que ele “era inocente”, procurará libertá-lo na medida em que isso não afete sua carreira política e sua amizade com César (Jo 19,13). Caso contrário, o poder cederá diante da injustiça, “lavando as mãos” (Mt 27,24).

Não é muito o que esse personagem articulou na vida e no criminoso processo aplicado a Jesus. Será que sua trajetória política pode dizer alguma coisa a nós hoje? Sem dúvida, como tantos outros governadores da pequena e insignificante Judeia, poderia ter passado despercebido na história. Contudo, tendo condenado aquele jovem camponês de Nazaré, conhecido como o “profeta hebreu”, sem saber, assumiu posição de destaque em uma história que mudou a face da terra e o coração de imensa multidão de homens e mulheres.

Essa é, de fato, a ambiguidade do poder político terreno, que se movimenta sempre segundo a necessidade e a arbitrariedade “do momento”. Podemos dizer, apenas como referência, que quase todos os poderes políticos de sempre atuaram como PP, condenando inocentes (a parte mais vulnerável) e lavando as mãos diante da injustiça com mil pretextos aparentemente “nobres ou necessários” ou, ao menos, “mascarados de científicos” (FAUS, 2013, p. 81 – nota 34).

2. Pôncio Pilatos na Judeia – seu cargo de prefeito

O imperador Júlio César Tibério (14-37 d.C.) é que teria convidado PP para ser o governador/prefeito da Judeia (26-36 d.C.) (MONLOUBOU; DU BUIT, 1997, p, 637). Como era a província da Judeia? Não era grande, mas, se bem governada, podia servir de ponte para cargos significativos na carreira política. A Judeia não era muito importante; sua população, acostumada a ser invadida por estrangeiros, não se submetia tão facilmente à vontade dos governadores. A maior parte de seus habitantes era hebreia. Esses homens “infernizavam” – por assim dizer – a vida dos prefeitos, queixando-se do tratamento que recebiam por parte do poder de Roma. Os samaritanos, que – segundo o próprio parecer – eram muito fiéis à Lei mosaica, viviam em contínua luta contra os hebreus. Os idumeus (moradores da Idumeia – terra dos edomitas), muito próximos aos hebreus, não eram tão respeitosos da Lei mosaica quanto os hebreus desejavam. No coração desse território, as cidades de Samaria e Cesareia eram povoadas de gregos que brigavam frequentemente com os hebreus.

Entre as fontes históricas que falam de PP, temos, de primeira mão, a inscrição numa lápide encontrada em 1961, no teatro de Cesareia Marítima, o qual o mesmo PP mandou construir para homenagear o imperador Tibério: o Tiberieum. O documento de pedra se apresenta bastante mutilado, mas o nome de Pilatos se conserva nitidamente. Aí diz que PP era “prefeito”, e não procurador.

Também moedas e textos literários apresentam PP como “um herói”. Em alguns apócrifos da Igreja oriental, ele e sua mulher (Santa Prócula) são considerados “mártires e santos”. Foi reconhecido como mártir no Egito, venerado santo em Etiópia. Sua vida foi divulgada pelo apócrifo chamado O martírio de Pilatos, que narra quando PP, “injustiçado”, vai para Roma; estando em prisão, “recebe a visita de Jesus”, que o consola e lhe anuncia que vai ser crucificado. Acrescenta-se, de modo piedoso, que, mesmo que PP não soubesse reconhecer a divindade de Jesus – o que o levou a ordenar sua crucificação –, no entanto, ao mesmo tempo, “como instrumento de Deus”, ele foi o homem que permitiu que, pela morte de Jesus, toda a humanidade atingisse a salvação (BAUDOIN, 2009, p. 47-51).

Observando o agir de PP, poderemos também conhecer como os “conquistadores romanos” olhavam para aquela região hebraica. De fato, coube a ele, conhecendo e sofrendo as dificuldades enfrentadas pelos anteriores prefeitos da Judeia, julgar Jesus de Nazaré, um galileu que os sumos sacerdotes hebreus desejavam matar. Esse fato valeu a PP – sem cogitar as consequências – insólita notoriedade, em relação tanto a seus predecessores quanto a seus sucessores.[1] Sua atuação, de fundamental importância na paixão de Jesus, fez que os primeiros cristãos inserissem seu nome nas profissões de fé para não esquecer o acontecimento.

Cumpre reconhecer que não foi fácil para os romanos entender a cultura do povo judeu, a ligação da vida com a religiosidade. Assim também, para PP, essa mistura do religioso com o cotidiano foi incompreensível e torturante; era como um quebra-cabeça em sua cosmovisão romana, prática e materialista: a devoção do templo, os rituais para a alimentação, a rígida prática ritual do sábado, a circuncisão e a proibição das imagens. Muito menos podia entender a questão da fé num único Deus – algo inadmissível para os politeístas romanos – nem a radical oposição à concorrência de outros deuses com seu Deus. Isso, consequentemente, levava os judeus a desprezar ostensivamente todos aqueles que não adorassem o Deus verdadeiro do povo de Israel (SARTRE, 2009, p. 39-40).

Por meio de dados provenientes de Flávio Josefo (37-100 d.C.), conhecemos quatro episódios “pouco felizes” ocorridos durante o governo de PP: a introdução da imagem de César em Jerusalém, a construção de um aqueduto para prover de água a Cidade Santa (cf. A guerra judaica), a execução de Jesus de Nazaré e o massacre dos samaritanos (Lucas 13,1-3) (cf. Antiguidade judaica).

Pouco tempo depois de ter chegado à Judeia, PP entronizou o retrato de César, decisão desconhecida na prática dos governadores que passaram pela região. Certamente, o que parecia ser procedimento politicamente acertado para “ficar bem” com o imperador lhe trouxe não poucos problemas, a ponto de ter de suportar um grupo de judeus, dia e noite, protestando em frente à sua residência, em Cesareia, e insistindo na retirada da imagem. Até que, finalmente, tendo de lidar com a religiosa teimosia dos judeus, “dispostos a morrer pela causa, ele retirou a imagem, impressionado da firmeza na observância das leis religiosas desses judeus” (Antiguidade judaica, XVIII, 59).

Na verdade, PP foi um governador pouco delicado, astuto e esperto. Ele teve a ideia de construir um aqueduto para prover de água Jerusalém, mas o fez utilizando o dinheiro do tesouro do templo, fato que ocasionou, mais de uma vez, muita aversão entre os judeus, a ponto de gerar violenta repressão do exército, com muitos feridos e mortos.

Pilatos foi governador titular do supremo poder judiciário. Conhecemos sua atitude na paixão de Jesus pelas descrições que nos deixaram os Evangelhos: Mc 15,1-15; Mt 27,1-2.11-26; Lc 23,1-25; Jo 18,28-19,16. Para PP, a condenação de Jesus era questão dos judeus; ele desejava apenas evitar tumultos e protestos. A acusação feita pelas autoridades judaicas era extremamente hábil. Apresentavam Jesus como um candidato (usurpador) ao reinado, pois se autoproclamava “rei”. O governador o interrogou, não poupando certo jeitinho maldoso. Tinha, diante de si, duas soluções: provar a inocência de Jesus, e não apenas declará-la, ou ceder, se os adversários de Jesus não renunciassem às suas arteiras pretensões.

Pilatos não se deixou enganar pelos sacerdotes, mas, pelo que os textos fazem parecer, não tinha outra opção a não ser condenar Jesus. A tradição evangélica insiste sobre a responsabilidade moral dos judeus e atenua a cumplicidade de PP, de natureza jurídica.

No início do século II, Tácito, falando dos cristãos, anota: “Esse nome lhes vem de Cristo, que, sob o principado de Tibério, o procurador PP o fez condenar” (Annales XV, 44). Para Tácito, o procurador não teria outro objetivo a não ser pôr fim a “uma superstição, fonte de desordens”. Em sintonia com Tácito, o Testimonium Flavianum (AJ XVIIII, 64) apresenta duas informações: a) PP condenou Jesus com suplício certo: a crucificação; b) fez isso “confiando basicamente na denúncia de nossos principais cidadãos”.

Tratamos aqui de um governador inábil e sem destreza política, embora demonstrasse sincera devoção ao imperador. Com base em Fílon de Alexandria, lembramos o episódio dos “escudos dourados” – escudos votivos feitos à imitação daqueles que o senado tinha consagrado na cúria de Roma em honra de César Augusto. Para os judeus, tratava-se de “visibilizar” um culto divino ao imperador. O fato que nos interessa acha-se na Legatio ad Gaium (parágrafos 299-305). Essa obra é o relatório de um grupo de judeus de Alexandria que foram ter com Caio César Calígula (sobrinho-neto de Tibério, a quem sucedeu em 37 d.C.). O relatório foi escrito por Agripa – naquele tempo, rei da Traconítide e da Galileia – e por ele dirigido ao imperador Calígula. Nessa carta, o rei Herodes Agripa pede ao imperador que tenha prudência no que vai decidir; isto é, que respeite a fé judaica. Para reforçar esse pedido, vai lembrar a infeliz atitude de PP de ter colocado escudos dourados no antigo palácio de Herodes. Estes, certamente, não tinham imagem alguma. A iniciativa de PP desagradou a Tibério, que ordenou retirá-los.

Agripa aproveita a situação e traça um perfil bastante exagerado e desfavorável de PP, acusando-o de ter feito “a pior besteira”. O rei certamente agigantou toda a questão, pois, caluniando o prefeito, manifestava escondida ambição de ascender ao trono da Judeia e acabar com a ingerência direta de Roma sobre a região. O historiador Fílon aproveita para sugerir que o melhor seria “deixar que os judeus se ocupem eles mesmos de seus negócios”.

Algumas ações de PP revelam um governador atento e vigilante. Por exemplo, numa ocasião em que havia surgido um falso profeta entre os samaritanos, prevendo o perigo de uma revolta, ele, por meio de seus soldados, age com veemência, interpretando que o acontecido representaria “grave perigo à pax romana”.

Com essa intervenção, sua carreira política encerra dramaticamente na Judeia. As queixas que chegaram ao prestigioso governador da Síria e superior de PP, Aulo Vitélio Germânico (24/9/15 – 22/12/69 d.C.), resultaram em que fosse “ordenada sua partida para Roma”. Pilatos chegará a Roma, humilhado e acabrunhado pela situação, após 14 de março de 37, em meio ao luto da cidade pela morte de Tibério. Segundo o testemunho do historiador cristão Eusébio de Cesareia, do século IV, PP teria se suicidado (informação difícil de ser confirmada).

A partir desse momento, sua figura surge adornada de olhares dourados e negros. Passará à história com o perfil de “homem lendário”, que encheu não poucas páginas da literatura romana e cristã e do marketing hollywoodiano.[2]

Pilatos certamente não foi “homem indeciso”, como é apresentado nos relatos evangélicos; na verdade, esses relatos põem em evidência mais as maquinações das autoridades religiosas judaicas do que as decisões políticas do prefeito. O que a história demonstra é que o relacionamento de PP com aquelas autoridades, especialmente com Caifás, era bom, tranquilo e até estreito (PP jantou muitas vezes na luxuosa residência de Caifás). Não podemos esquecer que os sumos sacerdotes eleitos eram “selecionados” pelo prefeito, justamente para obter sua colaboração na já indesejada presença romana. Por exemplo, Caifás nunca apresentou queixa nenhuma sobre os excessos do prefeito, embora gozasse de forte influência sobre as lideranças judaicas de Jerusalém. Ele também foi destituído do seu cargo quando aconteceu a saída de PP (PAGOLA, 2013, p. 388).[3]

Pilatos foi homem medíocre e, sem dúvida, pouco preparado para a função que assumiu; mas em momento nenhum apareceu como alguém que teria desejado – nem que fosse por puro prazer – humilhar o povo hebraico (LÉMONON, 2009, p. 36-37).

Na verdade, as ações governamentais de PP denotam um homem inábil e desajeitado, desprovido de sentido político, preocupado apenas em demonstrar, em cada circunstância, que o poder é de Roma e só a Roma pertence.

Ele não entendia a nobreza da fé dos judeus, mesmo que às vezes ficasse maravilhado com a firmeza e a coragem desse povo diante de suas “inoportunas” iniciativas. Mostrava-se, no entanto, prudente, no sentido de que não agia intempestivamente quando de fato podia usar de enérgica força militar. Era firme, mas às vezes grosso com seus súditos, apenas interessado por demais em comprazer o imperador.

Não possuímos documentos detalhados a respeito de como os romanos se relacionavam “politicamente” com o povo judeu. Pelo que parece, a origem desse relacionamento remonta a 164 a.C., com uma mediação que o exército romano fez naquelas regiões. Quando Pompeu Magno anexou a Síria ao Império Romano (64 a.C.), havia muita instabilidade na Judeia, depois da morte do rei Alexandre Janeu. Tal situação punha em perigo a dominação romana na região. Numa manobra política, Pompeu designa Antipatro II e seus dois filhos, Fasael e Herodes Magno (c. 73-4 a.C.), para pacificar a região. No entanto, o ambicioso Antipatro submeteu a Judeia e tomou de assalto o templo, profanando-o e levando como troféus seus ricos tesouros. A repercussão desse incidente levou no mínimo 20 anos para se aplacar, o que aconteceu graças à diplomática mediação de Herodes, que, com o total apoio de Roma, chegou a ser rei no ano 40 a.C.

Após a morte de Herodes, surgiram vários pregadores suscitando “apocalípticas intranquilidades” no povo. Eram agitadores que anunciavam a iminência do fim do mundo ou a vinda de um messias que restauraria o poder dos hebreus. Esse movimento messiânico se verificou entre os anos 10-30 do século I da nossa era. Aqui aparece maior exigência da “pureza ritual” para se preparar para o “dia do Senhor”, da qual João Batista foi exemplo.

3. Um processo romano na terra da Judeia

O que resta de importante para esclarecer no que diz respeito à política de PP e sua intervenção nos momentos fundamentais da vida de Jesus?

Tentar organizar e reconstruir, fidedignamente, os relatos da paixão de Jesus não é empresa fácil. Apoiados em ilustres exegetas que trataram de expor esses momentos cruciais de modo exaustivo – entre os quais, Raymond Brown e Simon Légasse –, podemos tentar responder a algumas das questões levantadas sobre a historicidade desse processo.

Nas regiões governadas pelos romanos, o direito penal era prerrogativa absoluta deles. Portanto, deve-se dizer que o sinédrio (composto do sumo sacerdote e 71 membros), embora tivesse poder oficial de pronunciar sentenças segundo a Lei judaica, de modo nenhum possuía o direito ou o poder de condenar Jesus à morte; se assim o tivesse feito, sua decisão não teria valor algum. O processo talvez tenha se desenrolado no palácio de Herodes, e o colóquio entre PP e Jesus teria acontecido no interior do pretório.

O processo contra Jesus aparece cheio de graves incongruências. Jesus se defende sozinho, coisa impensável no direito romano. Por que ele foi condenado na perspectiva judia e romana também não fica claro. Para os romanos, uma possível condenação teria sido admitida apenas na hipótese de que Jesus se arrogasse uma realeza terrena, pretendendo substituir o imperador, o que, no Império Romano, implicaria a condenação à morte. Essa incriminação seria forte diante de PP. No entanto, o fato de Jesus ter atacado as “maracutaias” do templo e manifestado sua “origem divina” em nada contrariava a lei romana e, portanto, PP nem deveria ter cogitado condená-lo com base nisso.

É difícil admitir, no plano histórico, que PP, “não achando culpa em Jesus”, o tenha condenado apenas porque as autoridades religiosas lhe enviaram um réu para ser condenado.

4. Pôncio Pilatos em nós?

O chefe dos sacerdotes lembrou a PP que Jesus ameaçava a segurança do trono e, por causa disso, poderia ser considerado “traidor de Roma”; esse era um ponto sensível a PP. As multidões lhe pediam que soltasse Barrabás. Pilatos estava diante de um dilema, como tantas vezes acontece na vida, especialmente no campo político. A justiça estava de um lado; a retidão, do outro.

Por vezes, PP nos fascina e até podemos compreendê-lo. A vida não é fácil! Ele talvez não fosse mau; nem o que chamaríamos de “homem fraco”, se com isso queremos dizer “pusilânime”. Ao contrário, PP cumpriu seu cargo de maneira completa e decidida. Afinal de contas, era um bom funcionário público, um bom agente de Estado. Seu cargo dependia disso. Não era desonesto; ele nada havia roubado; entretanto, agiu, muito demorada e cuidadosamente, sempre em vista de seu próprio benefício. Quando o chefe dos sacerdotes lhe forneceu a razão que ele estava buscando (segundo a lei romana) – “Esse homem é um traidor: ele se faz rei!” –, preferiu a segurança e a integridade pessoal. Talvez PP tenha se convencido de que aquele homem provavelmente fosse inocente – ele conhecia as maquinações das autoridades religiosas de Jerusalém – mas, submisso a seu ego, não conseguia suportar a hipótese de que sua posição ficasse ameaçada. Conhecemos muito bem o conflito. Esse PP – atenção! – pode viver também em nós, quando nos omitimos ou nos recusamos a sacrificar-nos para ajudar/servir os outros em prejuízo de nós mesmos…

O coração de PP, não raro, parece o nosso, quando não conseguimos tomar uma decisão, não conseguimos ficar contra as multidões, contra o que está “na onda”; impotente para buscar a verdade acima de exigências pessoais. Pilatos é a parte nossa que não defende o bem, que não consegue ver decência humana nos marginalizados, nos condenados, no submundo de nossa sociedade. Em cada um de nós, PP põe à prova todos os ideais que proclamamos no resto do credo. Enfim, parece que ele permanece no credo como prova absoluta de que Jesus não está realmente seguro conosco. Ainda não… (CHITTISTER, 2008, p. 137-138).Infelizmente, PP não conheceu o fascínio da liberdade. Nunca descobriu que a liberdade não mata os sonhos; antes, constrói na vida o que muitos desejam, mas pelo que não têm a coragem de lutar. Certamente ser livre é um desafio permanente: fascina, cativa, dá coragem, cria esperança, faz sonhar, investir no bem, acreditar no futuro. Contém uma força que é mais forte do que todas as escravidões. No mundo de hoje, precisamos de pessoas livres! Pilatos não era uma delas (FRANCISCO, 2018, p. 9)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAUDOIN, Anne-Catherine. E Pilato diventa un eroe… Il Mondo della Bibbia, Torino: Elledici, n. 97, anno 20, p. 46-51, mar./apr. 2009.

CHITTISTER, Joan. Para aprofundar o creio. São Paulo: Paulinas, 2008.

FAUS, José Ignacio González. Confío: comentario al credo cristiano. Santander: Sal Terrae, 2013.

LÉMONON, Jean-Pierre. Fortuna e caduta di un prefetto di Giudea. Il Mondo della Bibbia, Torino: Elledici, n. 97, anno 20, p. 32-37, mar./apr. 2009.

MONLOUBOU, L.; DU BUIT, F. M. Dicionário bíblico universal. Petrópolis: Vozes; Aparecida: Santuário, 1997.

PAGOLA, José Antonio. Jesús: aproximación histórica. Buenos Aires: PPC, 2013.

PAPA FRANCISCO. Ser livre é um risco e um desafio. L’Osservatore Romano, n. 49, 4 dez. 2018.

REID, Daniel G. Reid (Org.). Dicionário enciclopédico da Bíblia. São Paulo: Paulus/Paulinas/Loyola; Santo André: Academia Cristã, 2013.

SARTRE, Maurice. Un romano di fronte all’enigma ebraico. Il Mondo della Bibbia, Torino: Elledici, n.  97, anno 20, p. 38-41, mar./apr. 2009.

[1] Os prefeitos da Judeia foram todos romanos: Copônio (6-9 d.C.), Marco Ambívio (9-12 d.C.), Ânio Rufo (12-15 d.C.), Valério Gato (15-26 d.C.), Pôncio Pilatos (26-36 d.C.) e Marcelo (36-41 d.C.), que cedeu o poder ao rei Agripa I (MONLOUBOU; DU BUIT, 1997, p. 637).

[2] Eusébio de Cesareia, na História eclesiástica, afirma que Pilatos caiu em desgraça junto ao imperador romano Calígula e cometeu suicídio por volta do ano 37 d.C. Contudo, o fato é que não se sabe ao certo como ocorreu sua morte; conforme o apócrifo do Novo Testamento Atos de Pilatos (também conhecido como Evangelho de Nicodemos), escrito provavelmente no século IV, a responsabilidade sobre a condenação de Jesus recai sobre os judeus e o papel de Pilatos no episódio é minimizado. Por causa de tal escrito, nas Igrejas ortodoxa e ortodoxa etíope, a figura de Pilatos foi reabilitada, a ponto de ser canonizado pela Igreja etíope e ambas as Igrejas procederem à canonização de sua esposa, Santa Prócula.

[3] Foi descoberto, ao sul da antiga cidade de Jerusalém, um esplêndido ossuário familiar do século I que levava a inscrição: Yehosef bar Caiafa. A pesquisa admite que, com muita probabilidade, se trate do ossuário de Caifás, que interveio na execução de Jesus.

Guillermo Daniel Micheletti

presbítero argentino da diocese de Santo André-SP. Vigário paroquial da Paróquia Santa Teresinha,
São Bernardo do Campo-SP. Licenciando em Ciências da Educação, especialização em Pedagogia. Professor de Sacramentos e de Pneumatologia na Escola de Teologia Diocesana. Membro fundador da Sociedade Brasileira de Catequetas (SBCat). Autor de livros pelas editoras Ave-Maria, Paulinas e Vozes. E-mail: gdmiche@terra.com.br
Fonte: Vida Pastoral

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: