O Jejum Judaico e sua relação com Jesus

Reflexão bíblica – Segunda-feira da 2ª Semana do Tempo Comum (18/01/2021)

Prof. Dr. Frei Jacir de Freitas Faria (ISTA)

Mc 2,18-22:

18 Os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: ‘Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?’ 19Jesus respondeu: ‘Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. 21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém pðe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos’.

A PRÁTICA DO JEJUM

Frei Jacir de Freitas Faria, OFM[1]

O evangelho que hoje nos inspira é Mc 2,1-18. A temática aí tratada é a questão do jejum judaico e sua relação com Jesus, que é chamado de noivo na passagem. Os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando, conforme os rituais previstos no judaísmo, mas Jesus e seus discípulos, não. Jesus foi questionado pelos fariseus sobre o porquê de tal comportamento, e responde que ninguém faz jejum nos dias de comemoração de bodas de matrimônio. Aliás, diga-se de passagem, uma festa de casamento durava sete dias.

Seguindo a linha de pensamento de Jesus, reflitamos sobre a prática do jejum. Observe que na passagem de Mc 2,1-18, o jejum é tão importante que o verbo jejuar aparece seis vezes, e noivo, três. Observe também que o texto começa com uma controvérsia, uma disputa entre os fariseus e Jesus, seguida de uma profecia no v. 20: “quando o noivo for tirado, aí sim, jejuarão”, bem como de duas afirmativas de cunho sapiencial, nos versículos 21 e 22: a do remendo novo em roupa velha e a do vinho novo em odres velhos. Tudo indica que Jesus terá dito esses dois provérbios em outro contexto, mas eles foram acrescentados nessa passagem pelo redator final.

O jejum era uma prática comum entre os fariseus. Eles jejuavam duas vezes por semana, às segundas e quintas-feiras (Lc 18,12). O povo tinha a prática de jejuar no dia do perdão, Yom Kippur, em hebraico (Lv 16,29-34). O fato de poder jejuar duas vezes por semana indicava a classe social e de seu praticante, bem como dividia, a partir da religião, a classe de puros e impuros. Poucos podiam se dar ao luxo de jejuar. O texto diz que os discípulos de João Batista jejuavam, o que poderia ser por causa da morte do mestre, pois o jejum era recomendado em situação de morte de alguém querido. Com a morte de Jesus, os cristãos passaram a praticar o jejum em solidariedade ao Mestre que foi crucificado injustamente pelas lideranças religiosas e romanas. Já o jejum quaresmal ganhou, mais tarde, o significado de partilha com os necessitados.

A reação de Jesus diante da provocação dos fariseus foi a de dizer que ele era o noivo, o Messias, esperado por Israel (Is 25,6; 55,1-2; Sl 22,27). Jesus critica os fariseus por não saberem ler o sinal dos tempos.

Com o uso dos provérbios do pano e odre velhos, Jesus ensina que Ele é o noivo que rasga os panos e odres velhos do sistema judaico corrompido por práticas religiosas ultrapassadas. O velho sistema, representado pelos fariseus, não suportava as práticas de Jesus, pois elas rasgavam o velho pano que não suportava remendos. Isso vai ficar claro com a sua morte, quando o véu do templo se rasga de cima a baixo (Mc 15,38). Antes, quando Jesus estava sendo interrogado pelo Sumo Sacerdote, este rasga suas túnicas para simbolizar a divisão que Jesus havia instaurado (Mc 14,63).

Jesus levou o sistema religioso do seu tempo a entrar em colapso. E hoje? O que fazer? O hoje depende de cada um de nós. Depende de mim, depende de você. Chegou a hora de a Igreja retomar o vigor profético da proposta de Jesus. E, se preciso for, o jejum pode ser um bom aliado. Infelizmente, estamos vivendo na Igreja a volta dos “velhos panos” que cobrem corpos litúrgicos e impedem o surgimento de um vinho novo, na ‘Alegria do Evangelho’ e na certeza de que ‘Irmãos somos todos nós’ na busca de um novo tempo. Que Deus nos socorra!   

[1] Doutor em Teologia Bíblica pela FAJE-BH. Mestre em Ciências Bíblicas (Exegese) pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB). Sacerdote Franciscano. Autor de dez livros e coautor de quatorze. Últimos livros: O Medo do Inferno e a arte de bem morrer: da devoção apócrifa à Dormição de Maria às irmandades de Nossa Senhora da Boa Morte (Vozes, 2019). Coautor de: A releitura do Deuteronômio nos evangelhos. In: KONINGS, Johan; SILVANO, Zuleica Aparecida. (Org.). Deuteronômio: Escuta, Israel. 1ed.São Paulo: Paulinas, 2020, v. 1, p. 187-230. Inscreva-se no nosso canal: https://www.youtube.com/c/FreiJacirdeFreitasFariaB%C3%ADbliaAp%C3%B3crifos

Fonte: Grupo de Estudos Bíblicos São Jerônimo e Bíblia e Apócrifos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: