Tempos Difíceis – Tempos de Luta

Por| Frei Sérgio Antônio Görgen, ofm

O ano de 2020 foi um ano desafiador para os lutadores e as lutadoras do povo  brasileiro. Também para as famílias camponesas.

Por vários motivos.

Volta do Brasil ao mapa da fome, governo Federal de costas para quem produz alimentos e só apoiando o agronegócio exportador, inflação dos alimentos, seca no sul e, além de tudo isto, uma pandemia com o vírus corona abalando famílias e a sociedade toda.

Os Movimentos Populares já estavam em atitude política de resistência ativa antes da Covid.  

Só reforçou esta atitude, buscando formas de se articular e se organizar nacionalmente através das novas ferramentas de comunicação virtual.

O que não parou, foi a produção de alimentos, com todos os cuidados para evitar a dispersão do vírus mortal entre o povo camponês.

Prejudicou, em parte, a comercialização de alimentos com o povo da cidade, o que foi retomado aos poucos, com o respeito aos protocolos necessários à preservação da saúde.

Por outro lado, os laços de solidariedade foram reforçados entre os Movimentos Camponeses e as comunidades trabalhadoras das cidades através dos Mutirões Contra a Fome, doações de alimentos, feiras nos Bairros, executados pelos Movimentos do Campo em aliança com Movimento Populares Urbanos, Sindicatos e Entidades populares, de norte a sul do país. A solidariedade foi o mais importante remédio utilizado contra o medo e o desespero.

Todos os cenários previstos a respeito do desgoverno cruel e fascista que ocupa o poder executivo do país conseguiram ser piores do que se pudesse imaginar.

Economia em frangalhos, fome dilacerando os lares pobres, preço dos alimentos nas alturas, camponeses sem apoio para produzir alimentos, desemprego brutal rasgando a esperança de futuro da nossa juventude, natureza devastada com queimadas e desmatamentos e a perseguição ao povo negro cada vez mais escancarada e cruel, expondo a chaga do racismo estrutural.

Uma enorme demonstração de articulação e organização foi a elaboração e a luta por um Projeto de Lei para apoiar a produção de alimentos. Transformou-se na Lei Assis Carvalho, mas o elemento que adentrou o Palácio do Planalto vetou, demonstrando o que realmente é, inimigo dos pobres e que pouco se importa com a fome e a vida do povo.

Mas esta luta continua, pela derrubada dos vetos.

A resistência também continua. Luta pela vacina para retomar o caminho das ruas. Necessidade de formação política, reorganização das bases, comunicação popular de massa, encantamento da juventude com a luta por um mundo melhor.

Tempos difíceis, tempos de luta.

Luta para vacinação em massa, pelo SUS, gratuitamente. Luta contra a fome. Luta pelo emprego. Luta para fortalecer a agricultura camponesa na produção de alimentos saudáveis. Luta para manter o direito de sonhar, pelo direito à esperança.

E a clareza de sempre: o caminho da esperança é o caminho da organização e da luta.

O sistema imunológico do Poder Judiciário, por Frei Sérgio Antônio Görgen  ofm - GGN

*Frei Sérgio Antônio Görgen ofm

Frade Franciscano, militante do MPA, autor de “O Plano Camponês”.

Fonte: Instituto Cultural Pe. Josimo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s