Casa e rua: outro lugar

Por| Dom Walmor Oliveira de Azevedo

“Fique em casa” é o mais interpelante apelo desses últimos meses ante o necessário e indispensável isolamento social. Esse apelo remete ao ambiente mais significativo e referencial da vida de cada pessoa, a casa, o lugar sagrado da família. A orientação “fique em casa” tem força no combate efetivo à pandemia da Covid-19, evitando a disseminação do vírus que é letal para muitas vítimas, submetendo famílias ao luto. Uma pandemia que gera ainda colapsos na saúde e incidências na economia. Não é fácil a obediência ao imperativo de ficar em casa, evitando aglomerações e contatos desnecessários. E esse imperativo estampa, ainda mais, o grave problema do déficit e das más condições habitacionais do Brasil, uma vergonha.

A realidade de vilas e favelas reflete a acentuada desigualdade social que caracteriza o país. Para os que não têm habitação adequada, como ficar em casa? E como se não bastasse, há ainda uma questão que torna mais cruel essa situação: no outro extremo, entre os que têm casa, a orientação para permanecer no lar é tratada com escárnio. Há, inclusive, os que incitam a população a ir para as ruas, obviamente aumentando os riscos de contaminação. Pessoas insensíveis a uma realidade óbvia: a saúde requer moradia digna e sustentável. O equilíbrio na natureza, fundamental para prevenir pandemias, não é alcançado apenas com o bem-estar de pequena parcela da população. A exclusão de muitos gera adoecimentos que ameaçam toda a sociedade.

Especificamente sobre a segregação sofrida pelos que não têm casa, a referência alcança também aqueles que até possuem um endereço, mas destituído de mínimas condições para a habitação. Esse cenário revela a fragilidade social que não isenta, inclusive, os que se acham protegidos da contaminação por um vírus. A saúde do planeta, de uma sociedade, depende de condições menos desiguais no campo da moradia – cada um tem direito a uma casa digna para viver. Assim, a orientação “fique em casa” deve também representar um clamor que leve a um novo significado relacionado à rua – fortalecendo o seu sentido de agregação das diferenças, da cooperação, do encontro, de intercâmbios e serviços ao próximo, que é irmão, para gerar inclusão e vencer abismos sociais que adoecem.

Mas sempre se reconheça: a força social e política da rua nunca substituirá a importância da casa, com seu sentido mais forte e fundamental – é a primeira escola do amor, da fé, dos ensinamentos indispensáveis à civilidade, do desenvolvimento da competência em gerar e cultivar vínculos. A casa tem uma sacralidade que ultrapassa os limites estreitos de relacionamentos. É, para além de sua configuração material, sagrada sustentação do viver e do aprender a viver. Apesar disso, movimentos civilizatórios levaram à relativização do valor pedagógico e existencial da casa que, para muitos, tornou-se apenas um alojamento noturno, um “point” para atendimento de algumas necessidades muito básicas, a exemplo do repouso, sem considerar tantas outras, igualmente essenciais.  As pessoas desaprenderam, assim, por exemplo, sobre a importância da convivência possibilitada pela casa. Há dificuldade para se relacionar qualificadamente com quem se partilha o mesmo ambiente. Paradoxalmente, por estar desabituado a ficar no próprio lar, o ser humano também é incapaz de lidar com a solidão. Até se deprime. Percebe-se uma dificuldade para cultivar a interioridade. Ficar em casa torna-se, neste contexto, desafiador, e revela carências humanísticas que levam a esgotamentos psíquicos e aqueles inerentes à própria natureza.

Casa e rua devem ser consideradas a partir de renovado significado, compreendidas como outro lugar, diferente do que até então se imaginava. Sem a casa, as instituições se enfraquecem e há despersonalização do ser humano. A Igreja de Cristo, por exemplo, nasce nos lares e, de casa em casa, fortalece a sua presença servidora no coração do mundo. Ao perdurar a exigente e indispensável convocação “fique em casa”, a sociedade aproveite para cultivar e enriquecer a compreensão a respeito da casa e da rua. Nesses espaços, sejam adotados estilos de vida renovados para superar fragilidades e enfermidades.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: