Luz a um mundo fechado

Por| Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Ouvir o profeta Isaías, em sua sabedoria e maestria, contribui para adotar medidas que podem trazer o novo esperado – o brilho da nova luz. O profeta chama a atenção para a urgência de se vivenciar um despertar da consciência missionária e assumir a responsabilidade cidadã. O ponto de partida é reconhecer a escuridão sobre o povo – manifestada em gestos ou omissões, movimentos e acontecimentos – para que se possa compreender melhor sobre a urgência de se brilhar nova luz. Há, pois, uma referência maior – Aquele que tem a autoridade proclamada na Palavra de Deus: “Eu, o Senhor, te chamei para a justiça e te tomei pela mão. Eu te formei e te encarreguei de seres a aliança do meu povo e a luz das nações”. A pessoa que porta todas essas prerrogativas não se encontra na lista do comum dos mortais. Ele esparge centelhas de seu brilho, reavivando mentes e corações, clareando rumos. É Jesus Cristo, o Salvador do mundo.

Vivenciar o Tempo do Advento, preparação para celebrar o Natal de Jesus, é oportunidade para encontrá-lo, experiência que acalenta o sonho de um novo tempo para a humanidade aterrorizada, abalada por muitos descompassos e sofrimentos. Retardar esse encontro com Jesus é permanecer nas trevas. Não admitir que Ele é o Salvador significa acomodar-se na ignorância. Deixar de buscar o autêntico sentido da celebração do seu Natal é correr o risco de se contentar com situações efêmeras e manter-se em um mundo fechado, “abrindo mão” de alcançar a iluminação. Urge reconhecer o quanto é determinante oferecer luz a um mundo fechado. Essa luz é Cristo que, no horizonte natalino, oferece muitas possiblidades existenciais aos que decidem buscá-lo. E Ele se deixa encontrar, sempre se faz próximo de todos.

Ideologias, argumentos e até razões “caem por terra” quando se experimenta o encontro com Jesus, luz para um mundo fechado. Desse encontro, surge profunda alegria de viver e um sentimento de honra maior por se inscrever na lista dos discípulos de Cristo. No horizonte está, pois, o desafio de se aprender mais sobre o mundo que ainda está fechado às lições de Cristo. Esse aprendizado ajudará a romper barreiras e a dissipar a escuridão que cobre a humanidade. A luz do Salvador – quando experimentada – fomenta, alicerça e se desdobra em gestos que desenham um mundo aberto ao amor e à solidariedade. Por isso mesmo, o Papa Francisco, na Carta Encíclica Fratelli Tutti, elenca os desafios a serem superados para que a humanidade se liberte das amarras que a aprisionam em atrasos e descompassos.

Há um sério comprometimento da fraternidade universal, mergulhando o mundo em um “beco sem saída e sem retorno”. É grave a advertência feita quando o Papa Francisco diz que a história dá sinais de regressão. “Reacendem-se conflitos anacrônicos que se consideravam superados, ressurgem nacionalismos fechados, exacerbados, ressentidos e agressivos. Em vários países, certa noção de unidade do povo e da nação, penetrada por diferentes ideologias, cria novas formas de egoísmo e de perda do sentido social, mascaradas por uma suposta defesa dos interesses nacionais”.  Modos de ser e de agir que configuram um mundo fechado pelos egoísmos, autoreferencialidades patológicas, onde cresce a indiferença generalizada em relação aos pobres e a manipulação interesseira da Casa Comum.

É hora de aceitar um recomeço guiado por uma luz incandescente. Tempo de investir para ajudar o povo a levantar-se e a avançar na busca pelo bem, pelo amor, pela justiça e pela solidariedade, que não são alcançados de uma vez, nem para sempre, mas conquistados a cada dia. Que a humanidade se coloque diante da luz – presença amorosa do Salvador do mundo. Ele vem como criança recém-nascida, desconcertando poderios e arquiteturas de domínios. O mundo contemporâneo padece por estar fechado. A luz, que é Cristo, pode abrir a humanidade a aprendizados, capacitando-a para rever critérios, intuir novos estilos de vida e se sensibilizar ante diferentes clamores. Seja sempre oferecido Jesus Cristo ao mundo, pois Ele é a salvação para a humanidade.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: