Encontro pessoal com Jesus Cristo

Tudo começa aqui. O franciscanismo não é, primariamente, uma organização ou função, mas um encontro pessoal. Não um meio ou instrumento, mas uma relação pessoal. Primeiro que tudo, está o enamoramento. O próprio seguimento não é uma função, mas dinamismo de amor: configurar-se com Jesus… não por interesse, mas por amor, para ser parecido com o Amado. A prioridade do enamoramento é essencial, quer para a vida de cada um, quer para a vida comum e o próprio apostolado franciscano. Este não é um meio, mas o fruto. Mesmo que não houvesse mundo nenhum a converter ou a santificar, o franciscano seria sempre apóstolo, porque a boca fala do que vai no coração (2 Cor 4,13).


Vem a propósito o conto que ANTHONY DE MELLO propõe no seu livro “O canto do pássaro”. Depois de o mestre afirmar que Deus é Incognoscível, os discípulos perguntaram: “Então porque falas tanto sobre Ele?” O Mestre respondeu: “E porque canta o pássaro? O pássaro não canta porque tenha qualquer afirmação para fazer. Canta porque tem um canto no coração”. A missão e ação franciscana não é motivada, em primeiro lugar, pelas necessidades exteriores, mas brota espontânea da música que nos vai no coração. Mais do que um “exercício” ou “atividade”, é um “estilo” e deveria ser uma arte.


Uma arte enraizada em Jesus que está bem retratada nas Florinhas de S. Francisco, de onde retiramos o episódio do “sermão às avezinhas”:

“Indo a caminho para uma pregação, vendo um bando de pássaros, Francisco disse aos companheiros: “Esperai aqui por mim, que eu vou pregar aos meus irmãozinhos pássaros. Entrou no campo e começou a pregar aos pássaros que estavam no chão… E imediatamente os que estavam pelas árvores vieram para junto dela, e todos juntos permaneceram quietos. Até que Francisco acabou a pregação, e só depois que lhes lançou a bênção é que partiram (…)”.


A substância da pregação de S. Francisco foi esta:

Avezinhas minhas irmãs, mui gratas deveis estar a Deus, e sempre e em todos os lugares o deveis louvar, porque vos concedeu um vestido dobrado e tresdobrado e porque conservou vossos pais na arca de Noé, a fim de que não acabasse no mundo a vossa espécie. E demais lhe deveis estar obrigados pelo ar, que vos destinou; além disso, vós não semeais nem recolheis, mas Deus vos nutre e vos dá os rios e as fontes para beberdes, e vos dás os montes e os vales para refúgio e as altas árvores para fazerdes ninhos; e conhecendo que vós não sabeis fiar nem coser, vos veste a vós e a vossos filhos. Grande é, pois, o amor que vos tem o Criador, que tantos benefícios vos faz, por isso, minhas irmãzinhas, guardai-vos do pecado da ingratidão, e esforçai-vos sempre por louvar a Deus.


Tendo o santo dito estas palavras todas aquelas aves começaram a abrir o bico, a estender o pescoço, a alargar as asas, e a inclinar, com reverência, a cabeça até ao chão, mostrando, com sinais e cantos, o muito prazer que lhes davam as palavras do Santo Padre. (…) Finalmente, concluída a pregação, fez sobre eles o sinal da cruz, e deu-lhes licença para se irem embora. E todos aqueles pássaros se levantaram no ar, soltando maravilhosos cantos, e se dividiram em quatro grupos segundo a cruz que S. Francisco tinha feito: um grupo voou para o Oriente, outro para o Ocidente, o terceiro para o Meio Dia, e o quarto para as partes do Aquilão, e cada bando seguia cantando maravilhosamente, com isto significando que, assim como S. Francisco, porta bandeira da cruz de Cristo, lhes tinha pregado e tinha sobre eles formado o sinal da cruz, segundo a qual se repartiram cantando pelas quatro partes do mundo, assim também a pregação da Cruz de Cristo, renovada por S. Francisco, se devia estender por meio dele e de seus frades a todo o mundo. E estes frades, à semelhança das aves, nada possuindo como coisa própria, deviam confiar a sua vida somente à Providência de Deus. (Florinhas XVI, Fontes Franciscanas, p. 1177).


Toda a vida franciscana passa por esta escuta consciência de sermos no mundo os “jograis de Deus”, e pela descoberta de sermos seus filhos muito amados. Daqui nascem a pobreza, a menoridade, a fraternidade, a paz, o respeito pelo outro, a liberdade, a alegria.

Fonte: OFM Portugal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: