O que pensar sobre Fé e Política?

Por| Hermes Abreu, ofm

Há muito temos ouvido de nossos leitores que a Igreja não deve se envolver em questões políticas. Fato é que a falta de credibilidade dos poderes executivo e legislativo salta aos nossos olhos. O judiciário que, pela práxis, deveria coibir e punir o não ético, se faz – por vezes – desprovido desta autoridade, ausente de idoneidade. Não são raras as notícias dos pregões de sentenças, ou mesmo magistrados a serviço de interesses pessoais ou institucionais, que não os da polis.

Em resposta, nossos teólogos e sacerdotes são suscitados à uma palavra concomitante à Vontade do Senhor. O Espírito de Profecia sempre esteve presente na história do Povo de Deus. Já nos livros históricos da Bíblia, temos o Profeta Samuel, que foi chamado por Deus a estar intimamente ligado ao nascimento da monarquia hebraica. Podemos ver estes fatos no Primeiro Livro de Samuel. O povo hebreu pede um rei (cf. 1Sm 8,4-6). Coube ao profeta consultar se esta era a vontade de Javé (cf. 1Sm 8,6-9). Neste sentido, podemos ver a participação de um líder religioso, Juiz e Profeta, na passagem da era dos juízes à era dos reis. Passados os anos, a destituição de Saul também se deu por participação do profeta (cf. 1Sm 16,1-13).

Um profeta era alguém levantado por Deus para levar sua mensagem ao povo israelita e a outras nações. O contexto em que estiveram inseridos, sempre teve correlação política. Suscitou homens e mulheres para profetizarem em seu nome, a exemplo de Moisés, Elias, Eliseu, Isaías, Jeremias, Daniel, Ezequiel, Débora, Hulda, entre tantos outros. Em todos estes homens e mulheres de Deus, o chamado e a profecia esteve relacionada à fé, à fidelidade ao Senhor e às dificuldades dessa correlação. Estas dificuldades vinham, por vezes, de dimensões políticas. Foram muitos os cativeiros, as circunstâncias de aculturação da fé, opressão econômica, política e religiosa.

No Segundo Testamento, Jesus apresenta sua missão memorando o Profeta Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me conferiu a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres. Enviou-me para proclamar aos cativos a libertação e aos cegos, a recuperação da vista, para despedir os oprimidos em liberdade, para proclamar um ano de acolhimento da parte do Senhor.” (Lc 4,18-19 – In: TEB). Palavras chave como pobres, oprimidos, cativos dão-nos luz à pertinência sócio-política do ministério de Jesus. Tanto o é que foi julgado e condenado por dois poderes. Há que se lembrar, também, que a execução de Jesus se deu por métodos políticos. A crucifixão era própria aos agitadores e criminosos que se punham em cheque com o Império Romano.

Na Igreja nascente, o apóstolo Paulo mostra a importância dos profetas, conclamando os primeiros cristãos ao Espírito de Profecia, pois revelavam os mistérios de Deus, fundamentando a Igreja Primitiva. A missão desses profetas também era proclamar e interpretar a Palavra de Deus, para exortar, animar e edificar. Era também papel deles combater a infidelidade, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro. Por causa disso, muitos profetas eram rejeitados e perseguidos.

Hoje não podemos ser diferentes. Muitas de nossas verdades, advindas do Evangelho, são ameaçadas. A vida em sua plenitude é preceito incontestável (cf. Jo 10,10). Entretanto, não são raras as iniciativas de se liberar a morte não natural, por justificativas judiciais. Sejam elas a pena de morte, eutanásia, aborto. Além: podemos entender que tudo que ameaça a dignidade da vida, entra em cheque com esse imperativo do Evangelho. Seja a miséria, os preconceitos de todas as formas, a injustiça e violação dos direitos fundamentais. Aqui podemos lembrar o célebre texto de Amós: “Que o direito jorre como água e a justiça seja uma torrente inestancável” (Am 5,24). Esta palavra está inserida num contexto em que o profeta explicita o tipo de culto desejado por Deus. Os cultos espetaculares, com suas esplêndidas liturgias que demonstravam grande fervor religioso, não passavam de disfarces para esconder o grosseiro egoísmo e ateísmo prático dos líderes. Não devemos nos esquecer da vinculação do santuário de Betel à coroa e de como os sacerdotes eram funcionários do rei. Em Amós 7,13, Amasias, sacerdote de Betel e consequentemente funcionário de Jeroboão II, afirma que Betel era o santuário do rei e ali era o templo do reino, deixando claro que a situação religiosa estava sob o controle real. É indiscutível que o templo foi facilmente manipulado por razões de Estado. Amós não se opõe à instituição do sacerdócio. Ao contrário, defende a dignidade do culto. Todavia, quer trazer à luz a necessidade de que este seja instrumento de promoção do Bem, resultante da íntima relação de Deus e os Homens. Talvez seja possível afirmar que o profeta propunha nova forma de adoração, fundamentada na prática da justiça e no restabelecimento do direito dos pobres e explorados. Nos profetas encontramos o desmascaramento da violência e da superficialidade do sistema religioso e a declaração de qual rito é, de fato, agradável a Deus: a prática da solidariedade. É preciso insistir no fato de que, para o povo de Deus, a justiça representa tanto o problema essencial da existência quanto um elemento essencial de saúde social. Nada mais político no exercício da fé. Em Jesus, esta opção pela Verdade, pela Justiça e pelo Bem; chega à plenitude.

E o Magistério da Igreja? No Catecismo da Igreja Católica temos versado claramente a relação da Comunidade Cristã e a Política. “Faz parte da missão da Igreja ‘proferir um juízo moral também sobre as realidades que diz respeito à ordem política, quando o exijamos direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas, empregando todos os recursos – e somente estes – que estão de acordo com o Evangelho e com o bem de todos, conforme a diversidade dos tempos e situações.'” (CIC: 2246) Neste sentido, podemos entender que a crítica da Igreja face aos projetos anticristãos, advindos do Poder Público ou Legislativo, se fundamenta no desejo de promover as Verdades do Evangelho. Estando a Vida ameaçada, assim como a salvação das almas, o profetismo se faz imperativo.

Atos de maldade, violência e injustiça provocam Javé. Vivemos num tempo em que é praticamente impossível não ser envolvido com a exploração do pobre no mundo. No entanto, a solidariedade é palavra que assume contornos de arcaico e de raridade. Esquecemo-nos com muita facilidade de que a medida de uma sociedade plenamente humana reside justamente na vida de seu povo pobre. Uma sociedade em que falta o cuidado pelo vulnerável/pobre é, significativamente, desumana e desumanizadora. A opressão do fraco pelo forte há de se tornar na literatura profética um sinal incontestável da negação de Deus. Nesse sentido, a negação de Deus não passaria pela confissão religiosa, mas, sim, pela negação de gestos de solidariedade e de proteção em relação aos mais fracos. Não se pronunciar diante de atos de injustiça, fere o amor de Javé por cada homem e mulher. Assim, calar-se diante das mazelas sociais e políticas se faz pecado, ferindo a vontade de Deus. A Igreja, continuadora do Mister de Jesus, deve se manter em constante relação com o caminhar da política. Sendo promotora da Vida, denunciando os projetos de morte. Em todas suas faces.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: