A política melhor

Por| Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Contrapontos podem guardar a força capaz de reconfigurar interpretações e, consequentemente, redefinir rumos, na vida pessoal ou na sociedade. Oportuno é, pois, se dedicar ao contraponto que o Papa Francisco estabelece entre a “política melhor” e a desacreditada política, no quinto capítulo de sua recente Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a fraternidade e a amizade social. Há um crescente descrédito em relação à política, particularmente a partidária, conforme se percebe no Brasil. Essa ausência de credibilidade é um fenômeno que se consolidou ao longo da história, enraizando-se no imaginário dos cidadãos, impondo prejuízos à sociedade. Uma das consequências graves desse descrédito com a política é a permissividade na lógica da economia. Cada vez menos considerada pelos cidadãos, a política fica à mercê do desgoverno excludente do dinheiro, que se torna o mandatário maior. É preciso, pois, revigorar o exercício da cidadania, compreendendo que a “política melhor” é a que está a serviço do bem comum. Esse entendimento proposto pelo Papa Francisco exige reconhecer a incontestável importância da política.

Sabe-se, neste ano de eleições municipais, sobre a importância de se acertar nas escolhas. Há um quadro abundante de candidatos. Isso exige maior atenção dos eleitores para identificar aqueles que são capazes de ir além das promessas e efetivamente trabalhar pelo bem comum. O desafio é saber quem tem qualificação humanística e competência para liderar em uma realidade desafiadora. Apesar de existir ampla lista de nomes a serem submetidos ao voto nas eleições, são raros os que reúnem essas necessárias qualidades. Ao invés disso, observa-se o desprezo sobre a situação dos mais pobres, camuflado sob o formato populista ou liberal para, demagogicamente, instrumentalizar os mais vulneráveis e alcançar interesses egoístas.

É verdade que existem líderes populares capazes de interpretar os anseios de um povo, a sua dinâmica cultural e as grandes tendências de uma sociedade, conforme reflete a Carta Encíclica Fratelli Tutti. “O serviço que prestam, congregando e guiando, pode ser a base para um projeto duradouro de transformação e crescimento.”  Mas, adverte o Papa Francisco: esse serviço pode se degenerar em um populismo insano. Isso pode acontecer quando a habilidade de alguém para atrair consensos busca instrumentalizar politicamente a cultura do povo e, assim, satisfazer um projeto pessoal – que pode incluir a própria perpetuação no poder. Outras vezes, exerce-se a política somente para aumentar a popularidade, alimentando sentimentos e escolhas que se tornam armas destrutivas das bases do bem comum. É preciso, pois, ter redobrada atenção aos que até são capazes de identificar exigências populares, mas não efetivamente avançam na tarefa árdua e constante de proporcionar às pessoas os recursos para se desenvolverem, sustentarem a vida com o próprio esforço e criatividade, orienta a Carta Encíclica.

É incalculável o tamanho do desafio ante a urgência de operar mudança no coração humano para reconfigurar hábitos e estilos de vida. Modos de pensar estreitos e percepções limitadas a respeito do mundo inviabilizam avanços sociais, promovem o fenômeno da superficialização da política, trazendo prejuízos para o exercício da cidadania. Entre essas fragilidades humanas, a Carta Encíclica sublinha a tendência constante para o egoísmo, que faz parte daquilo que a tradição cristã chama “concupiscência” – a inclinação do ser humano a fechar-se na imanência do próprio eu, do seu grupo, dos seus interesses mesquinhos. É hora de fazer nascer contrapontos à política desacreditada, enraizada nas limitações humanas, a partir de vigorosa tarefa educativa. Essa tarefa seja capaz de inspirar hábitos solidários, a consideração da vida de modo integral, com relações mais humanizadas.

Nesse caminho, a própria sociedade reagirá às suas injustiças, às aberrações, aos abusos dos poderes econômicos, tecnológicos, políticos e midiáticos. Torna-se, pois, urgente dedicar-se ao que é necessário para fazer prevalecer a “política melhor”. E a partir de novos sentidos, com narrativas edificantes, estabelecer dinâmicas capazes de banir, definitivamente, obscurantismos e todas as práticas que inviabilizam a preservação da vida, da Casa Comum.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: