O Imperativo ao sacerdócio

Por| Hermes de Abreu Fernandes

Fico pensando sobre a dialética entre conservadores e progressistas. Esta peleja se justifica? Sempre a vejo em tom de radicalismo. Ou isso, ou aquilo.

Penso, também, nas pessoas – às quais – estas questões tocam. Ao Povo interessa um conservador? Um ultraconservador? Por outra ótica, estaria o Povo de Deus precupado com seus ministros ordenados no que se refere à consciência libertadora? Progressista?

Em tempos de caristia, o amor se faz imperativo. Mais que um conservador, ou um progressista; o Povo de Deus clama por pastores. Que saibam latim, ou não. Que entendam de sócio-politica, ou não. Não obstante sandálias nos pés, ou batinas; a Igreja de Jesus clama por afeto, acolhida, compromisso. De nada adianta liturgias pomposas, vazias de comunhão. É efêmero o discurso social, ausente de mística e afeto.

Padres e bispos para hoje? Penso que não haja fórmula perfeita. Vai da identidade ou das idiossincrasias de cada um. Todavia, algo importa: amor! Amor que foi iniciado pelo Cristo, no Mistério Pascal. Sua Morte de Cruz foi sinal de entrega total. Aos que se alçam aos altares, fica esse imperativo: amor incondicional a Jesus e seu Povo.

Como ser ministro ordenado hoje? Sendo o Alter Christus. Dando-se incondicionalmente. Até às últimas consequências. Assim, não importa mais se é conservador ou progressista. Será Pastor. Bom Pastor, como o foi o Senhor da Messe. O Princípio e Fim de todo Caminhar Eclesial.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s