Violência não é compatível com o ser Cristão

Por| Hermes de Abreu Fernandes

“E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas”. (Ap 21,4)

O clamor dos sofredores chega ao Altíssimo (cf. Ex 22,23). Ele se compadece e vem em seu socorro. Não há nenhum subjugado, oprimido, agredido, vilipendiado, que – colocando sua dor nos braços de Javé – não encontre nele alento, aliança, refúgio e libertação. “O Senhor dos que combatem é conosco, está com a gente, ele é nossa fortaleza, é o Deus que nos defende!” (Salmo 46).

Não! Ao contrário do que muitos religiosos, erroneamente, ousam defender; opressão, violência, tortura física (psíquica e moral); não é próprio aos que professam a fé em Jesus. Se não o é, também não se faz apropriado ao caminhar cristão. As trevas são incompatíveis com a luz. O que não vem de Deus, não é apropriado aos que se dizem ao seu serviço.

Aprofundando um pouco nossa reflexão, gostaríamos de abordar a escandalosa constatação do aumento da violência doméstica. O lar, refúgio institucional do ser humano, torna-se campo de guerra. Local de opressão psíquica e física. São filhos que se tornam carrascos dos pais em idade senil, maridos – verdadeiros algozes – promotores de violência, tortura, agressão e assassínio.

Para o escândalo dos pequeninos, muitos destes que ferem e matam, professam ser cidadãos de bem, homens e mulheres de Deus. Qual Deus?

Nós que somos Igreja, devemos fazer oposição profética face a estes que se dizem nossos irmãos, mas são pedras de tropeço, contratestemunho das verdades de Javé, instrumentos de perdição às Igrejas. Em nosso meio não podemos mais tolerar estes que se dizem arautos da Fé, mas se fazem inimigos do Projeto de Jesus que é amor, manifesto na justiça, paz e alegria.

Sejamos instrumentos do Altíssimo, não vivendo em nosso meio o que é antagônico a ele. Deus é amor. O amor provém dele e a ele converge (cf. 1Jo 4,7-8). Aquele que opta pela violência, pelos discursos de ódio, pelo ódio manifesto em ações – criminalmente e biblicamente condenáveis – não está com Deus. Portanto, a este deve se elevar a voz das Igrejas. Quem não está a serviço da Paz, está contra Jesus e seu Mistério vivido e celebrado. Afinal, Jesus mesmo nos disse: “Quem não está comigo, está contra mim!” (Mt 12,30).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s