Aos católicos, sobre a nova direita

Por| Padre Daniel Pinheiro, do Instituto Bom Pastor

A “nova direita” e seus “profetas”:

Está ocorrendo a formação de uma nova direita (tão nova quanto a velha) no Brasil e em algumas partes do mundo. Formação de uma direita com fundamentos gravemente errôneos, com fundamentos contrários àquilo que Nosso Senhor Jesus Cristo ensinou e que a sua Igreja propaga de modo fiel pelo seu magistério constante ao longo dos séculos, pelo seu magistério infalível. Uma nova direita baseada em falsas filosofias e falsos profetas.

Muitos católicos se iludem com a direita por ser anti-esquerdista, anti-socialista e anti-comunista. E combatem um erro caindo em vários outros. Isso não pode ser feito. O bom para ser bom tem que ser integralmente bom. Bonum ex integra causa diz a boa filosofia de Santo Tomás de Aquino. O mal para ser mal basta que tenha um defeito.

Os católicos mais sérios não se deixarão levar pelo socialismo ou esquerdismo. É pela direita que o inimigo colocará o veneno. É pela direita, com ideias tortas, que o demônio procurará manter o seu reino. O demônio não está preocupado se as almas estão no erro pela esquerda, pela direita ou pelo centro. Para ele, basta que estejam no erro. E quanto mais esse erro se assemelhar à verdade, mais ele conseguirá enganar. Para o demônio, basta que se negue uma verdade da doutrina católica. Não precisa mais do que isso. Basta ir contra a doutrina social constante da Igreja, por exemplo, defendendo o liberalismo econômico. Basta afirmar que todas as religiões são expressões distintas de uma mesma religião (defendendo a união transcendente delas), o que vai contra o fato de que existe uma só revelação feita por Deus e uma só religião verdadeira, a Católica, que se opõe contraditoriamente às outras religiões. Basta negar que o Papa atual é Papa. Basta apoiar ou não condenar a maçonaria. Basta prestar um culto de personalidade a um homem. E a nova direita não tem apenas um, mas vários erros. Bastaria um, mas tem vários.

Combater o socialismo com o liberalismo, ainda que seja somente econômico é um erro grave. O liberalismo é a independência com relação a Deus. O liberalismo econômico é a independência da economia com relação às leis morais e com relação a Deus. A finalidade última da economia no liberalismo econômico se torna o lucro sem subordinação alguma à finalidade última do homem: conhecer, amar e servir Deus.
Muitos católicos se iludem: eu sigo essa direita em política, mas não nas ideias de teologia ou de religião. Ora, é claro que a política dessa nova direita deriva das ideias tortas em outros pontos como a teologia, a filosofia e a religião. Não dá para separar as coisas. A atuação política dessa direita é simplesmente um meio rápido de propagar essas ideias erradas e contaminar os católicos com erros graves em todos os âmbitos. A política nada mais é do que a aplicação para a sociedade das concepções filosóficas e religiosas que a pessoa tem. Quem segue a política da nova direita seguirá necessariamente a sua filosofia errônea e a sua religião errônea, muitas vezes com capa de catolicismo exterior. Irá contra a doutrina católica.

A nova direita se diz conservadora e afirma que todos os conservadores devem se unir. O que é o conservadorismo? O protestante, que rejeita a autoridade da Igreja estabelecida por Deus e que estabelece, assim, um dos pilares de todo o pensamento moderno, colocando o homem no lugar de Deus, é conservador? O liberal em economia, rejeitando a submissão da economia a Deus e a suas leis, é conservador? Aquele que vai contra o aborto, mas defende a contracepção, é conservador? Aquele que se diz católico, mas sorrateiramente escapa da doutrina da Igreja dizendo-se médico, economista ou filósofo é conservador? Qualquer coisa, praticamente, pode ir entrando nesse conceito de conservador. Uma confusão generalizada é a união dos rotulados conservadores. E rotulados conservadores por quem? É uma boa pergunta. Pode o católico unir-se a um não católico para combater um mal, como o aborto, por exemplo? Sim, mas com condições precisas: os católicos não podem aprovar ou conceder nada que esteja em conflito com a revelação divina ou com a doutrina da Igreja, mesmo nas questões sociais, dizia o Santo Ofício em 5 de junho de 1948 orientando solidamente os católicos. E como dizia São Pio X (Il fermo proposito), o católico que quiser atuar de forma mais política deve se lembrar, antes de tudo, de ser em toda circunstância católico e de se mostrar verdadeiramente católico. Assim, uma união vaga e sem critérios muito bem determinados pelos católicos seria combater um erro favorecendo vários outros.

Direita e esquerda. O demônio age com as duas mãos – a esquerda e a direita – para mais facilmente dominar. Infelizmente, muitos católicos têm um problema de torcicolo, para a esquerda. Só conseguem ver os problemas na esquerda e não vêm os problemas na direita ou se vêem ficam procurando pretextos para não condenar esses erros. Não é, em geral, para a teologia da libertação que o inimigo tentará levar os católicos mais sérios que começaram a compreender as coisas. Ele tentará levar para a direita. Com erros. Às vezes bem sutis, com capa de catolicismo, claro.

Muitos católicos, infelizmente, têm se consagrado a se tornarem direitistas. Conhecem e acompanham tudo de autores e autores direitistas eivados de erros. Mas não conhecem o básico da doutrina da Igreja. Não conhecem os documentos papais denunciando os erros modernos. Por isso, não têm uma visão realmente ampla e profunda dos problemas, mas veem apenas os problemas na esquerda, porque lhes torceram o pescoço para ver problemas apenas na esquerda. Falam da infiltração da esquerda, falam da conspiração esquerdista, mas não se dão conta que a infiltração contra a Igreja vem também da direita, que a direita está no mesmo plano.

Estamos vivendo muito claramente o que São Paulo disse: “virá um tempo em que muitos não suportarão a sã doutrina, mas acumularão mestres em volta de si, ao sabor das suas paixões, levados pelo prurido de ouvir. Afastarão os ouvidos da verdade e os aplicarão às fábulas.” Acumularão mestres que dizem estar sempre certos ou que se afirmam profetas inerrantes. Ao padre, como diz São Paulo, cabe: pregar a palavra, insistir a tempo e fora de tempo, repreender, corrigir, admoestar com toda a paciência e doutrina. Que Nossa Senhora, que esmaga os erros e as heresias, possa esmagar também esse erro que se dissemina nos meios católicos e na nossa pátria. Rezemos o Santo Rosário para que ela nos ajude.

In: Das redes sociais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: