Sobre Adultério, Divórcio e Segunda União

Por Luiz da Rosa

Uma das coisas que se aprende lendo os Evangelhos, as ações de Cristo, é o quanto Deus é misericordioso. Como na parábola do Filho Pródigo, espera sempre que quem comete um pecado “volte”, se converta. E quando se converte, Ele faz festa. É claro que quando se comete um pecado, ele traz consigo consequências que vão além da esfera pessoal, atingindo toda a comunidade. Um pecado tem consequências que nem sempre se podem remediar. E essas consequências permanecem como sinal da nossa fraqueza, para recordar que não podemos ser como antes, que é preciso uma conversão constante.

Do ponto de vista moral, poderíamos aplicar tudo isso aos casos de separação, aos novos casamentos, às famílias separadas. É uma perspectiva muito pessoal e sem amparo legal, ao menos do ponto de vista canônico. Não significa que a separação pode se tornar uma prática normal; não é assim. Para Deus, um casamento é para toda vida e quem não segue essa norma, contradiz a vontade divina. As tragédias humanas, os erros que se comete são sinais da nossa fraqueza e não vontade de Deus. Portanto, se você se separou, casou novamente, obviamente não é um exemplo. Mas isso não significa que foi condenado por Deus, não significa que está danado por toda a vida.

O divórcio não deve ser esquecido, mas permanece como um sinal que recorda a fragilidade, a incapacidade humana de fazer o bem desejado por Deus, tendendo sempre ao mal, apesar da natureza divina que está em nós. O resto da vida deve ser vivido com maior empenho, sem repetir os erros passados. Afinal, Jesus quando perdoava alguém dizia sempre: “vai e não peque mais”. Ou seja, Deus acolhe o pecador, mas sempre detesta o pecado e não aprova, de maneira alguma, a separação de um casal. Apesar disso, quer que você viva feliz, erga a cabeça, e tente novamente.

Luiz da Rosa*

Natural de Santa Catarina, casado, vive atualmente em Roma, na Itália, onde trabalha como diretor de comunicações do Instituto dos Irmãos Maristas.

Luiz da Rosa

Possui o Bacharelado em Filosofia (1988-1990 – Instituto Filosófico Franciscano de Curitiba). Cursou 4 anos de teologia em Jerusalém (1991-1994 – Istituto teologico Ierosolumitano). Conseguiu o Mestrado em Ciências Bíblicas no Pontífico Instituto Bíblico de Roma (1996-2000) e dois anos mais tarde superou a Lectio Coram que lhe dava o direito de seguir com o doutorado pelo mesmo instituto. Fez os cursos para o doutorado, mas não terminou a Tese.

Em 2015 concluiu um mestrado de Comunicação Intitucional Religiosa na Faculdade Blanquerna de Barcelona, na Espanha.

Foi Professor de Sacrada Escritura no Instituto Teológico Franciscano de Petrópolis (1995 e 2001) e também professor de Tecnologias da Comunicação em Âmbito Religioso, de 2009 a 2011, na Pontifícia Universidade Antonianum, em Roma.

Fonte: abiblia.org

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: