Corações Feridos

O amor cristão nada tem a ver com a demagogia de atos eleitoreiros, com a busca de visibilidade e reconhecimento pessoal. Menos ainda se relaciona com a tendência antiquada e antipática de tratar os pobres como reféns, buscando atender, “a conta gotas”, a suas necessidades. É preciso ter vergonha de tratar os pobres simplesmente como destinatários de algo, sem reconhecer a dignidade e o valor da vida de cada pessoa. Incontestavelmente, o amor aos pobres é mais que dever, constitui remédio para o coração: vivenciá-lo leva à cura das indiferenças que comprometem a paz. O amor aos pobres gera equilíbrio, possibilita reconhecer o sentido e o valor do outro. Esse sentido, com frequência, é obscurecido pela mesquinhez, por confortos e interesses egoístas, obstáculos que impedem compreender o próximo como irmão ou irmã.

Sábia e revolucionária é a recomendação do Papa Francisco: não se pode considerar os pobres simplesmente como alvos de um trabalho voluntário, praticado uma vez ou outra, improvisadamente. É preciso muito mais, pois a consciência social e moral da humanidade parece estar anestesiada, insensível diante dos que sofrem. Tem gente que cresce, avança nas conquistas, adquire conhecimento acadêmico, elaborando entendimentos sobre o mundo e a vida, mas permanece distante da dura realidade dos mais pobres. Consequentemente toda a humanidade perde, pois a sacralidade da dignidade humana é desconsiderada. E os desdobramentos dessa situação ficam cada vez mais evidentes, entre outros aspectos, no crescimento das muitas formas de violência que devastam, avassaladoramente, a sociedade.

A caridade, pela experiência da fé, e o sentido de partilha, pelo qualificado exercício da cidadania, têm força corretiva e formativa do caráter de cada pessoa. Contribuem ainda para que todos se percebam integrantes de uma coletividade, superando o individualismo egoísta. A caridade e a partilha são, assim, o caminho para superar tantos desrespeitos, inclusive a falta de indignação diante das desigualdades que desfiguram a sociedade. Por isso, sublinha o Papa Francisco, é preciso estender a mão aos pobres, encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. Eis o remédio que cura a indiferença, esse mal que adoece e mata. A caridade e a partilha podem devolver ao coração uma sabedoria cuja especialidade vem do encantamento pelo outro.

A pobreza convida cada pessoa a sair de certezas e comodidades que alimentam a mesquinhez e desgastam o valor essencial de ser altruísta. Por isso, mesmo com o passar dos séculos, continua exemplar a trajetória de São Francisco de Assis, testemunha da pobreza genuína. A fé deste Santo, ao fixar o seu olhar em Cristo, aponta o caminho de uma contribuição que pode ter força para mudar a história da humanidade, em meio a tantas contradições, abrindo caminhos para o verdadeiro e integral desenvolvimento humano. Sem a coragem audaciosa para erguer os pobres de seu estado de marginalização, com uma escuta amorosa e humilde do grito de quem sofre, não se dará rumo novo à sociedade, que continuará imersa nos esquemas de corrupção, nas manipulações e descalabros.

Com Francisco, possamos ser esse abraço de Deus que liberta de todo paradigma de opressão. Desmitificando a figura do Pobre e avançando rumo à uma compreensão de sua pessoa humana na integralidade. E, neste sentido, acolhendo a exortação do Profeta Isaías, possamos Curar os Corações feridos (cf. Is 61,1).

H. Abreu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s